Automóvel Autoeuropa: Comissão de trabalhadores rejeita novos horários e convoca plenários

Autoeuropa: Comissão de trabalhadores rejeita novos horários e convoca plenários

A comissão de trabalhadores anunciou a realização de plenários no dia 20 de Dezembro para discutir a imposição de trabalho ao sábado pela administração.
Autoeuropa: Comissão de trabalhadores rejeita novos horários e convoca plenários
Bruno Simão
André Cabrita-Mendes 12 de dezembro de 2017 às 18:08
A comissão de trabalhadores da Autoeuropa veio a público dizer que rejeita a decisão da administração de impor o trabalho ao sábado a partir do final de Janeiro.

"A comissão de trabalhadores rejeita por completo esta decisão da administração, pois entende que deverá ser retomado o processo negocial", pode ler-se no comunicado da CT divulgado esta terça-feira, 12 de Dezembro.

"Neste sentido, a CT, e também a pedido dos trabalhadores, convoca plenários para o próximo dia 20 de Dezembro", diz o documento assinado pelos diversos membros da CT, cujo coordenador é Fernando Gonçalves.

Nestes plenários vão discutidos a "situação da empresa e exigência de nova negociação", assim como a "apresentação do caderno reinvidicativo".

A CT destaca que as condições agora impostas pela administração são "mais desfavoráveis" face ao segundo pré-acordo chumbado em referendo no final de Novembro. E que estas condições "contrariam a vontade expressa pela maioria dos trabalhadores".

A comissão sublinha que após o chumbo do pré-acordo em Novembro "informou a administração" que "deveriam ser retomadas as negociações" para "encontrar um novo entendimento, tal como sempre foi prática interna da empresa".

A Autoeuropa comunicou aos seus 5.500 trabalhadores os novos horários para 2018 que incluem o trabalho ao sábado, com este dia a ser pago a dobrar. Com esta decisão, a fábrica de Palmela quer atingir a meta de produção de 240 mil automóveis no próximo ano.
Após dois pré-acordos chumbados pelos trabalhadores, a administração da fábrica portuguesa da Volkswagen tomou esta terça-feira a decisão unilateral de avançar para o trabalho ao fim-de-semana sem um acordo laboral.

(Notícia actualizada às 18:15)



A sua opinião29
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Lucas 12.12.2017

A estratégia dos comunistas passa por mandar a Autoeuropa para fora com o objectivo de destruir a economia e depois culpar o PS pelo fracasso.

comentários mais recentes
Anónimo 13.12.2017

A Autoeuropa tem sido uma empresa modelo desde que arrancou há 25 anos.Contudo está a atravessar tempos conturbados e não é por falta de projectos, o que torna a situação mais caricata.Há que haver bom senso,porque não é fácil trazer outra fábrica deste tipo para Portugal.

Anónimo 13.12.2017

É obrigatorio trabalhar 50 horas por semana? Se os operários não querem o que é tem de mandar POSTAS DE PESCADA ? Quanto aos comunistas deve ser UM PARTIDO ENORME DE ELEITORES para acabarem com os postos de trabalho! COMENTADORES TERRORISTAS DE OPINIÃO , SÃO TRETAS DA MÉRIDA a mandar BITAITES

Antunes 13.12.2017

Deixo aqui os contactos aos trabalhadores da Autoeuropa a onde se dirigirem, para lhes arranjarem trabalho:
Sede Nacional do PCP Rua Soeiro Pereira Gomes 3 Lisboa
Sede do Bloco de Esquerda Rua da Palma, 268 Lisboa
Sede CGTP -Rua Victor Cordon, 1
Poderão exigir todos os direitos nesses locais.

O PCP e o BE querem desemprego 13.12.2017

Para agravar as coisas e justificar a sua existência. Obrigado a todos. Para o PCP e BE quanto pior melhor. Vivem na utopia, porque não têm que procurar trabalho para alimentar a família. Vivem às custas do partido.

ver mais comentários
pub