Automóvel Autoeuropa: Negociações laborais vão ser retomadas na terça-feira

Autoeuropa: Negociações laborais vão ser retomadas na terça-feira

Os trabalhadores e a direcção da fábrica portuguesa da Volkswagen vão regressar à mesa de negociações na próxima semana para discutir um novo acordo laboral.
Autoeuropa: Negociações laborais vão ser retomadas na terça-feira
Bruno Simão
André Cabrita-Mendes 04 de janeiro de 2018 às 13:16
A comissão de trabalhadores e a administração da Autoeuropa voltam à mesa de negociações na terça-feira, 9 de Janeiro. O objectivo deste encontro é tentar chegar a um acordo laboral sobre a remuneração do trabalho aos fins-de-semana e respectivas folgas.

As negociações deveriam arrancar na sexta-feira mas foram adiadas para que todos os membros possam estar presentes no encontro, disse ao Negócios o coordenador da CT Fernando Gonçalves esta quinta-feira, 4 de Janeiro.

O responsável não quis avançar com uma estimativa sobre quanto tempo é que poderá demorar até ser alcançado um novo acordo laboral. 

Fernando Gonçalves garantiu que a comissão de trabalhadores não se sente pressionada para chegar a acordo rapidamente perante os dois dias de greve na fábrica da Volkswagem no início de Fevereiro que foram aprovados pelos trabalhadores em plenários realizados durante o mês de Dezembro.

Recorde-se que os trabalhadores da Autoeuropa já chumbaram em referendo dois pré-acordos laborais alcançados entre a administração e a comissão de trabalhadores, o primeiro em Julho e o segundo em Novembro.

Perante o impasse nas negociações, a administração da Autoeuropa decidiu avançar para os novos horários mesmo sem um acordo laboral fechado com a comissão de trabalhadores.

Assim, os horários de fim-de-semana vão arrancar até ao final deste mês em Palmela. A fábrica portuguesa da Volkswagen quer acelerar a produção do novo modelo, o SUV T-Roc, logo no início do ano para conseguir atingir a meta de 240 mil automóveis produzidos até ao final de 2018.

(Notícia actualizada às 13:23)



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
VOTAÇÕES SECRETAS = VOTAÇÕES DEMOCRÁTICAS 04.01.2018

Os trabalhadores da Autoeuropa estão a escrever o s/ próprio futuro laboral c/ as decisões face a exigências demagógicas, que poderão matar, para todos, a "galinha dos ovos de ouro", como se costuma dizer.

UMA DAS CONDIÇÕES "SINE QUA NON" É AS VOTAÇÕES NÃO SEREM DE BRAÇO NO AR, MAS, SIM, SECRETAS

NA OPEL DA AZAMBUJA FORAM 1100 DESEMPREGADOS 04.01.2018

Pese muito ao PCP, mas, em Portugal, vigora a democracia e ñ o controlo das consciências, como na defunta União Soviética
Logo, não se amofinem, pq a liberdade de expressão é, felizmente, uma realidade

ESPEREMOS Q O PCP NÃO FAÇA DA AUTOEUROPA O Q FEZ DA OPEL, NA AZAMBUJA, C/ 1100 DESEMPREGADOS

É ler e conhecer ao que conduzem os excessos sindi 04.01.2018

Para que não se diga que se escreve em branco, aqui segue, abaixo, uma notícia muito interessante ...

FECHO DA OPEL DESPEDIU 1.100 ( em 2006 ) E TRANSFORMOU A VIDA NA AZAMBUJA
http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/automovel/detalhe/fecho_da_opel_despediu_1100_e_transformou_a_vida_na_azambuja

NA OPEL DA AZAMBUJA FORAM 1100 DESEMPREGADOS 04.01.2018

Pese muito ao PCP, mas, em Portugal, vigora a democracia e não o controlo das consciências, como na defunta União Soviética
Logo, não se amofinam, pq a liberdade de expressão é, felizmente, uma realidade

ESPEREMOS Q O PCP NÃO FAÇA DA AUTOEUROPA O Q FEZ DA OPEL, NA AZAMBUJA, C/ 1100 DESEMPREGADOS

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub