Automóvel Autoeuropa reunida em plenário para discutir futuro

Autoeuropa reunida em plenário para discutir futuro

Os trabalhadores vão estar durante toda esta quarta-feira, 20 de Dezembro, reunidos na fábrica automóvel de Palmela. Trabalho obrigatório ao sábado é o ponto forte da agenda.
Autoeuropa reunida em plenário para discutir futuro
Autoeuropa
Wilson Ledo 20 de dezembro de 2017 às 08:30

Os trabalhadores da Volkswagen Autoeuropa vão estar reunidos em plenário esta quarta-feira, 20 de Dezembro, para discutir o futuro da fábrica de Palmela. Isto depois de os trabalhadores terem chumado dois pré-acordos e a administração ter  imposto novos horários a partir de Janeiro.

Segundo explicou ao Negócios o líder da Comissão de Trabalhadores (CT), Fernando Gonçalves, este plenário vai decorrer entre as oito da manhã e as duas da manhã do dia seguinte, daí que só sejam conhecidas conclusões a partir de quinta-feira. Sobre os assuntos em cima da mesa, o responsável prefere não avançar pormenores. "Primeiro os trabalhadores, depois a imprensa", justificou. Uma das preocupações está no novo horário de trabalho, com 17 turnos semanais. Este horário inclui o trabalho obrigatório ao sábado, com o dia pago a dobrar.


O novo horário entrará em vigor no final de Janeiro e deverá funcionar até Agosto. Quando conhecida esta decisão, a CT rejeitou-a de imediato e defendeu que devia ser retomado o processo negocial com a administração, porque as condições contrariavam a vontade da "maioria dos trabalhadores".


Na segunda-feira a CT e a administração de Palmela voltaram a reunir-se. "Continuamos a falar", reagiu Gonçalves, numa posição semelhante à da empresa. Foi discutida também a paragem de quatro dias em Dezembro devido à falta de peças. O porta-voz dos trabalhadores considera que não constitui "nada de problemático".


O fim da paz social na Autoeuropa - com a produção do novo T-Roc - já levou à intervenção do ministro do Trabalho, José Vieira da Silva, que insistiu na necessidade de diálogo em Palmela.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Próxima grande decisão da administração da VW. Encerramento da Autoeuropa e deslocalização da produção para a europa de leste.Os trabalhadores da Autoeuropa certamente vão sofrer as consequências das suas constantes exigências!...

Depois, os trabalhadores irão pedir trabalho ao PC Há 3 semanas

Caro "Camaradaverao75", parece que tens dúvidas em que os Alemães não zarpam já de Portugal, porque investiram cerca de 600 MM de euros para o projecto do T-ROC.
Duma coisa podes estar certo, meu caro, terminado o T-ROC, as portas da Autoeuropa fecharão, porque os Alemães não têm a n/ paciência.

O PCP NA AUTOEUROPA É ELEFANTE EM LOJA DE PORCELAN Há 3 semanas

Recordamos q a CUF, a grande empresa que foi a CUF, foi destruída pelo PCP, durante o PREC, assim como outras grandes empresas.
A produção desceu a zero.
Os dias eram passados em plenários intermináveis.
A AUTOEUROPA VAI PELO MM CAMINHO QUE A OPEL DA AZAMBUJA, QUE FECHOU, DEVIDO ÀS LUTAS DO PCP.

X Há 3 semanas

Perante a passividade do Costa e do Vieira da Silva, aquela múmia paralítica do Jerónimo soltou o Arménio...ataca, ataca...e começou a agonia da Autoeuropa ! A partir de agora, vai ser de reinvidicação em reinvindicação, até a VW fechar. Estes cabrões têm sorte! Quem se quilha é o prox. governo !

ver mais comentários
pub