Automóvel Autoeuropa reunida em plenário para discutir futuro

Autoeuropa reunida em plenário para discutir futuro

Os trabalhadores vão estar durante toda esta quarta-feira, 20 de Dezembro, reunidos na fábrica automóvel de Palmela. Trabalho obrigatório ao sábado é o ponto forte da agenda.
Autoeuropa reunida em plenário para discutir futuro
Autoeuropa
Wilson Ledo 20 de dezembro de 2017 às 08:30

Os trabalhadores da Volkswagen Autoeuropa vão estar reunidos em plenário esta quarta-feira, 20 de Dezembro, para discutir o futuro da fábrica de Palmela. Isto depois de os trabalhadores terem chumado dois pré-acordos e a administração ter  imposto novos horários a partir de Janeiro.

Segundo explicou ao Negócios o líder da Comissão de Trabalhadores (CT), Fernando Gonçalves, este plenário vai decorrer entre as oito da manhã e as duas da manhã do dia seguinte, daí que só sejam conhecidas conclusões a partir de quinta-feira. Sobre os assuntos em cima da mesa, o responsável prefere não avançar pormenores. "Primeiro os trabalhadores, depois a imprensa", justificou. Uma das preocupações está no novo horário de trabalho, com 17 turnos semanais. Este horário inclui o trabalho obrigatório ao sábado, com o dia pago a dobrar.


O novo horário entrará em vigor no final de Janeiro e deverá funcionar até Agosto. Quando conhecida esta decisão, a CT rejeitou-a de imediato e defendeu que devia ser retomado o processo negocial com a administração, porque as condições contrariavam a vontade da "maioria dos trabalhadores".


Na segunda-feira a CT e a administração de Palmela voltaram a reunir-se. "Continuamos a falar", reagiu Gonçalves, numa posição semelhante à da empresa. Foi discutida também a paragem de quatro dias em Dezembro devido à falta de peças. O porta-voz dos trabalhadores considera que não constitui "nada de problemático".


O fim da paz social na Autoeuropa - com a produção do novo T-Roc - já levou à intervenção do ministro do Trabalho, José Vieira da Silva, que insistiu na necessidade de diálogo em Palmela.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 21.12.2017

Próxima grande decisão da administração da VW. Encerramento da Autoeuropa e deslocalização da produção para a europa de leste.Os trabalhadores da Autoeuropa certamente vão sofrer as consequências das suas constantes exigências!...

Depois, os trabalhadores irão pedir trabalho ao PC 20.12.2017

Caro "Camaradaverao75", parece que tens dúvidas em que os Alemães não zarpam já de Portugal, porque investiram cerca de 600 MM de euros para o projecto do T-ROC.
Duma coisa podes estar certo, meu caro, terminado o T-ROC, as portas da Autoeuropa fecharão, porque os Alemães não têm a n/ paciência.

O PCP NA AUTOEUROPA É ELEFANTE EM LOJA DE PORCELAN 20.12.2017

Recordamos q a CUF, a grande empresa que foi a CUF, foi destruída pelo PCP, durante o PREC, assim como outras grandes empresas.
A produção desceu a zero.
Os dias eram passados em plenários intermináveis.
A AUTOEUROPA VAI PELO MM CAMINHO QUE A OPEL DA AZAMBUJA, QUE FECHOU, DEVIDO ÀS LUTAS DO PCP.

X 20.12.2017

Perante a passividade do Costa e do Vieira da Silva, aquela múmia paralítica do Jerónimo soltou o Arménio...ataca, ataca...e começou a agonia da Autoeuropa ! A partir de agora, vai ser de reinvidicação em reinvindicação, até a VW fechar. Estes cabrões têm sorte! Quem se quilha é o prox. governo !

ver mais comentários
pub