Automóvel Autoeuropa vai parar totalmente na segunda-feira pela sexta vez em dois meses

Autoeuropa vai parar totalmente na segunda-feira pela sexta vez em dois meses

A falta de peças tem vindo a afectar a produção da fábrica portuguesa da Volkswagen e do seu novo modelo, o T-Roc.
Autoeuropa vai parar totalmente na segunda-feira pela sexta vez em dois meses
Bruno Simão
André Cabrita-Mendes 09 de fevereiro de 2018 às 16:04

A Autoeuropa vai voltar a parar na próxima segunda-feira por falta de peças. Este vai ser o sexto dia de paragem total no espaço de dois meses na fábrica portuguesa da Volkswagen devido à falta de peças.


"Devido a uma quebra no fornecimento de escapes, que impossibilita o normal fluxo de produção, o próximo dia 12 de fevereiro, segunda-feira, será marcado como "downday" [dia de não produção] colectivo", disse fonte oficial da Autoeuropa ao Negócios esta sexta-feira, 9 de Fevereiro.

 
A produção vai ser retomada no "turno da noite de quarta-feira (00:00), dia 14 de Fevereiro", adianta a mesma fonte.

Esta nova quebra na produção da Autoeuropa acontece apenas uma semana depois da fábrica ter arrancado com a produção ao sábado, nos turnos da manhã e da tarde, de forma a dar resposta à produção de 240 mil novos automóveis em 2018.

Recorde-se que o trabalho ao sábado, as suas folgas e compensações, provocaram um conflito laboral na fábrica da Volkswagen, que se arrasta há quase um ano.

A primeira paragem registada nos últimos dois meses teve lugar a 15 de Dezembro com a empresa a justificar com a ruptura de stocks dos fornecedores, por a Volkswagen estar a lançar vários novos modelos num curto espaço de tempo.


Depois, a Autoeuropa parou quatro dias entre 26 a 29 de Dezembro "devido a quebra no fornecimento de peças críticas".

Já em 2018, a fábrica também parou a 31 de Janeiro, mas somente durante o turno da tarde. A razão? Falta de peças novamente. Nessa ocasião, a fábrica disse que a paragem devia-se às "más condições climatéricas na zona do Mediterrâneo, a ligação marítima entre o porto de Tânger, em Marrocos, e Algeciras, Espanha, está fechada".

"Esta situação provocou uma interrupção na cadeia logística daquela região, o que em conjunto com a atual restrição de motores a gasolina que afeta a capacidade de alguns fornecedores", disse fonte oficial da Autoeuropa na altura.




pub