Desporto Autoridades russas admitem doping a larga escala, mas negam envolvimento do Estado

Autoridades russas admitem doping a larga escala, mas negam envolvimento do Estado

A directora-geral da agência antidoping da Rússia, Anna Antseliovich, admitiu na terça-feira ter existido um sistema generalizado de "larga escala" no país, mas negou qualquer envolvimento das autoridades estatais.
Autoridades russas admitem doping a larga escala, mas negam envolvimento do Estado
Ricardo Moraes/Reuters
Lusa 28 de dezembro de 2016 às 09:38
Em entrevista ao diário norte-americano New York Times, Anna Antseliovich falou de uma "conspiração institucional", mas negou a tese de que a rede de dopagem entre os atletas de elite tenha sido patrocinada pelo Estado.

Um recente relatório do jurista canadiano Richard McLaren, solicitado pela Agência Mundial Antidopagem (AMA), denunciou um programa institucionalizado de dopagem na Rússia, que implicou cerca de 1.000 atletas em práticas ilegais nos Jogos Olímpicos de verão Londres2010 e de inverno Sochi2014.

Em consequência da primeira parte do relatório, divulgado em Julho, a Rússia foi impedida de competir nas provas de atletismo dos Jogos Rio2016 e também toda a equipa paralímpica russa foi excluída pelo Comité Paralímpico Internacional (CPI) da competição realizada no Rio de Janeiro.

Ao New York Times, Anna Antseliovich mostrou-se "chocada" com as conclusões do relatório e insistiu que "não houve qualquer envolvimento das autoridades russas".

Vitaly Smirnov, antigo ministro do desporto e ex-presidente do Comité Olímpico da Rússia, escolhido agora pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin, para supervisionar uma política de reformas no desporto do país, admitiu que "foram cometidos vários erros", mas também negou qualquer patrocínio das autoridades governamentais.

Para Smirnov, a Rússia teve um tratamento de 'tolerância zero', ao contrário de outros países.

"A Rússia nunca teve as oportunidades dadas a outros países. O sentimento geral é de que a Rússia nem sequer teve uma oportunidade [de se defender]", referiu Smirnov ao New York Times.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Camponio da beira 28.12.2016

Como se na Russia alguma coisa fosse feita sem autorização de Putin!!!

pub