Imobiliário AXA compra Dolce Vita Tejo por 230 milhões

AXA compra Dolce Vita Tejo por 230 milhões

O segundo maior centro comercial de Portugal foi vendido pelo fundo norte-americano Baupost cerca de três anos depois de ter sido comprado à Chamartín Imobiliária.  
AXA compra Dolce Vita Tejo por 230 milhões
Nuno Carregueiro 22 de janeiro de 2018 às 09:29

Depois de um ano forte em transacções no sector imobiliário de retalho, 2018 arranca com a venda do segundo maior centro comercial do país. A AXA Investment Managers anunciou esta segunda-feira, 22 de Janeiro, que chegou a acordo para comprar a Dolce Vita Tejo por 230 milhões de euros.

 

Num comunicado, a firma francesa adianta que actuou em nome de clientes e que o acordo foi fechado com os actuais proprietários daquele que é o segundo maior centro comercial de Portugal: os norte-americanos da Baupost (controlam 90%) e os britânicos do Eurofund.

 

O Expresso tinha noticiado no ano passado que os accionistas do Dolce Vita Tejo tinham colocado o centro comercial localizado na Amadora à venda, pretendendo um encaixe de 300 milhões de euros.   

 

Apesar do valor ter sido substancialmente inferior, a Baupost e o Eurofund terão realizado mais-valias uma vez que em Janeiro de 2015 investiram 170 milhões de euros no centro comercial que era detido pela falida Chamartín Imobiliária.

 

A AXA salienta que o Dolce Vita recebe 15 milhões de visitantes por ano, tem uma área de 80 mil metros quadrados e 274 lojas, estando actualmente numa fase de desenvolvimento que reforçará a capacidade de lojas disponíveis e oferta de serviços em 2019. 

Neste âmbito, o Dolce Vita Tejo terá um parque temático de 5 mil metros quadrados que incluirá um parque aquático, jogos de realidade virtual e simuladores de voo.  

 

"Esta aquisição representa mais uma evidência da nossa confiança na recuperação do mercado do sul da Europa e providenciou-nos uma oportunidade única de entrar na capital portuguesa", refere Hermann Montenegro, responsável da AXA Investment Managers para o mercado ibérico.

 

Este negócio representa mais uma movimentação no agitado mercado de centros comerciais em Portugal, que tem registado diversas transacções.

 

Em 2017 o fundo norte-americano Blackstone colocou quatro centros comerciais à venda, num negócio onde pretende encaixar entre 750 e 900 milhões de euros. São eles o  Sintra Retail Park, o Forum Sintra, o Forum Montijo e o Almada Forum.

 

Já este ano foi fechado outro negócio. O MaiaShopping e o GuimarãesShopping, detidos pelo Sierra Fund, foram comprados pela Ocidental, que faz parte do grupo segurador belga Ageas.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
BCP a AÇÃO com MAIS POTENCIAL 22.01.2018

o MILENIUM BCP é a AÇÃO com mais potencial DE SUBIDA em TODA a EUROPA a nossa ECONOMIA é a que mais cresçe EM TODA a EUROPA deixem em ABRIL termos o PLENO das 3 AGÊNCIAS de RATINGS que vão ver aonde o MILENIUM BCP vai PARAR ( 1 EURO )

Anónimo 22.01.2018

O segundo maior de Portugal? Pensava que o DV Tejo era o maior da Península Ibérica.

jonebegood 22.01.2018

estes negócios de centros comerciais começam a ser chão que deu uvas a venda deles começam a ter muitas mão seguidas........

pub