Empresas Akzo Nobel rejeita oferta de compra de 21 mil milhões de euros da PPG

Akzo Nobel rejeita oferta de compra de 21 mil milhões de euros da PPG

A maior fabricante europeia de tintas e revestimentos rejeitou uma oferta de compra de 20,9 mil milhões de euros da norte-americana PPG Industries, por considerar que o valor "subvaloriza" a companhia. Acções disparam 15%.
Akzo Nobel rejeita oferta de compra de 21 mil milhões de euros da PPG
Reuters
Rita Faria 09 de março de 2017 às 07:55

A Akzo Nobel, a maior empresa europeia de tintas e revestimentos, rejeitou uma oferta de aquisição de 20,9 mil milhões de euros da norte-americana PPG Industries e admitiu que poderá separar o seu negócio de especialidades químicas para impulsionar o preço das acções.

Em comunicado, a holandesa Akzo Nobel considera que a oferta da PPG, de 83 euros por acção, "subvaloriza substancialmente" a empresa. Ainda assim, o valor está 29% acima da cotação de fecho da Akzo na quarta-feira.

No comunicado, citado pela Bloomberg, a holandesa refere que estão a ser consideradas "várias estruturas de propriedade alternativas" para o negócio das especialidades químicas, incluindo um spinoff. Esta área de negócio teve vendas de 4,8 mil milhões de euros no ano passado, o que representa 34% da receita total.

"A Akzo Nobel teve um desempenho recorde nos últimos anos em termos de rentabilidade e fez um progresso estratégico significativo, o que nos permitiu tomar essa decisão", afirma o CEO da companhia holandesa Ton Buechner (na foto) no comunicado, acrescentando que a proposta da PPG traz sérios riscos e incertezas.

Uma das primeiras decisões estratégicas do CEO ao assumir os comandos da empresa, em 2014, foi executar a venda do negócio de tintas decorativas da Akzo Nobel à PPG por cerca de mil milhões de euros.

As acções da Akzo Nobel estão a disparar 15,04% para 74,11 euros. 

(Notícia actualizada às 09:27 com evolução das acções)


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub