Banca & Finanças Balcão móvel da Caixa começa a circular em Julho

Balcão móvel da Caixa começa a circular em Julho

O presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) anunciou que o balcão móvel do banco vai começar a circular nos concelhos sem qualquer agência bancária a partir de Julho.
Balcão móvel da Caixa começa a circular em Julho
Bruno Simão
Lusa 27 de junho de 2017 às 21:53

Paulo Macedo explicou esta terça-feira – em Braga, no IV Encontro Fora da Caixa, dedicado à Industria 4.0 na dinâmica das empresas familiares –, que a carrinha com aquele balcão vai passar por partes do país que "não têm qualquer agência" bancária, da CGD ou de qualquer outro banco.

 

Paulo Macedo lembrou que "numa primeira fase", a carrinha da CGD vai disponibilizar serviços que não envolvam tesouraria, com principal enfoque em "trabalhar a parte da literacia" com a população.

 

"Queremos começar a trabalhar com a carrinha a partir do mês que vem. Para a semana, estaremos a fazer os circuitos com as agências da área e sobretudo queremos que, para além de irem para as áreas onde tínhamos agências, possam ir às áreas que não têm agências, porque não nos esqueçamos que uma parte significativa do país não tem qualquer agência", afirmou Paulo Macedo.

 

O responsável pela CGD explicou que o circuito do balcão móvel não está fechado: "Queremos passar no interior, tanto no Norte como no Sul, vamos ter mais que um circuito e obviamente também vamos depender de onde houver procura", frisou. Segundo o ex-ministro da Saúde, o objectivo passa por "não só cobrir as que tinham presença física como outras áreas que sejam uteis às pessoas".

 

Quanto aos serviços disponibilizados pelo balcão móvel da CGD, Paulo Macedo explicou que o Banco de Portugal autorizou apenas serviços que não envolvam numerário. "O que queremos, e que está autorizado pelo Banco de Portugal, é, numa primeira fase, todos os serviços que não impliquem disponibilização de tesouraria e, numa segunda fase, depois de estar estudada a questão da segurança, gostaríamos de alargar os serviços", disse.

 

"Mas o que é importante é trabalhar toda a parte de literacia, toda a parte de trabalhar com os mais idosos, dar informação, isso pode ser de imediato", salientou.

 

Até ao final de 2017, a CGD tem previsto encerrar 61 agências, sendo 18 na área da Grande Lisboa, 15 a Norte, 15 a Sul e nas Regiões Autónomas e 13 na zona Centro, segundo a lista revista divulgada em Março.

 

O fecho de agências foi negociado com Bruxelas e é uma das contrapartidas acordadas para que a recapitalização da CGD que está a decorrer, num montante superior a 5.000 milhões de euros, não seja considerada ajuda de Estado.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub