Media Balsemão: “Eu morro, mas a família mantém-se”

Balsemão: “Eu morro, mas a família mantém-se”

Pinto Balsemão afasta a necessidade de perder o controlo da Impresa. Admite que o maior erro terá sido disponibilizar conteúdos na internet sem se cobrar.
Balsemão: “Eu morro, mas a família mantém-se”
Mariline Alves/Correio da Manhã
Negócios 15 de agosto de 2017 às 15:11

Francisco Pinto Balsemão recusou falar sobre política ou qualquer interveniente político, bem como sobre si próprio, numa entrevista à Villas & Golfe. Já sobre o futuro da Impresa, dona de publicações como a SIC e o Expresso, reitera o interesse em manter a maioria do capital.
 

"Eu morro, mas a família mantém-se", afirma o empresário, afastando a obrigatoriedade de entrada de capital estrangeiro. Qual é a solução, questiona o jornalista: "Todas as empresas, nomeadamente as da comunicação social, têm de ganhar dinheiro para poderem ser independentes. Passa por gerir bem, diversificar receitas, reduzir despesas, como já falámos há pouco, com tudo o que é necessário", respondeu Balsemão.

 

Questionado sobre se vai precisar de capitais estrangeiros, admite que já teve "vários sócios, portugueses e estrangeiros, mas penso que deter a maioria é importante, enquanto puder detê-la."

 

Já sobre o futuro do jornalismo é preciso que as empresas de media "ganhem dinheiro e estejam sujeitas a regras deontológicas e a sanções quando não cumprem essas regras", especialmente numa altura em que proliferam as falsas notícias e os factos alternativos.

 

O fundador da Impresa assume que um dos maiores erros foi ter entrado na internet sem se cobrar pelos conteúdos. Não foi um erro apenas seu, "foi de toda a gente no mundo". Na altura, explica na entrevista, "acreditámos que quase toda a gente, no mundo da comunicação social, podia oferecer os conteúdos, porque seria tal o ingresso, em termos de receitas publicitárias, que seria seguramente recompensador". Um erro que actualmente está a sair caro aos órgãos de comunicação em todo o mundo.

 

E o futuro dos jornalistas é serem polivalentes, defende, capazes de "trabalhar com meios digitais". "Um jornalista competente" tem de se focar em responder ao "como" e ao "porquê", os três outros elementos clássicos da notícia (o quem, o onde e o quando) estão "cada vez mais reservados para as redes sociais, que muitas vezes se enganam".

 

Balsemão recusou, nesta entrevista, responder a qualquer pergunta sobre política.




A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 30.08.2017

Para responder à Altice, a NOS vai avançar com OPA sobre a IMPRESA, e só desta forma teremos novamente uma SIC independente!

Pela persistência da noticia e ao tempo que é 30.08.2017

publicada, façam-lhe a vontade. O grande problema da Impresa os sacos de dinheiro acabaram. As facilidades financeiras levaram a que a direita financiasse a lança da noticia e da intriga politica. Eles foram durante muitos anos os reis daquela imprensa que levaram a direita ao colo até ao poder.

Francisco António 29.08.2017

Balsemão é um pouco mais velho do que eu ! Mas alguma vez pensei eu em ver a Revista do Expresso com artigos e fotos da princesa Diana. A recordar o quê ? E a filhas de Savimbi a pôr-se em bicos de pés ? Para quê ? Perdendo qualidade, claro que o semanário vai ficando cada vez mais "cor de rosa" !!!

Anónimo 29.08.2017

Destruiu a Impresa que hoje vale em bola uns €50 milhões. Usou e abusou do Expresso e SIC para vender favores e atacar os inimigos. Este tipo não percebeu que tem de olhar todos os dias ao espelho e esse é o maior castigo que pode ter.

ver mais comentários
pub