Banca & Finanças Banca italiana em alta com pacote de resgate aos bancos

Banca italiana em alta com pacote de resgate aos bancos

Os ganhos dos títulos rondam os 2% e impulsionam a praça de Milão para os maiores ganhos no espaço europeu. Os investidores aplaudem assim a decisão de resgatar dois bancos, que serão comprados pelo Intesa Sanpaolo.
Banca italiana em alta com pacote de resgate aos bancos
Staton R Winter/Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 26 de junho de 2017 às 08:53

Os títulos dos principais bancos italianos cotados em bolsa estão esta segunda-feira, 26 de Junho, a reagir em alta ao anúncio de que o Governo vai intervir em dois bancos problemáticos e cobrir as suas perdas com um pacote de resgate financeiro de até 17 mil milhões de euros.

As valorizações estão praticamente todas perto ou acima dos 2%. Os títulos do Unicredit sobem 1,97%, enquanto o Unione di Banche Italiane sobe 2,09%. Já o Bper Banca sobe 2,86% e o MedioBanca 2,06%.

O Intesa Sanpaolo - no centro desta estratégia - é dos que mais sobem (3,44%).

O mecanismo aprovado este domingo pelo Governo italiano coloca o Intesa Sanpaolo a comprar dois bancos - Banca Poplare de Vicenza e Venero Banca - ao preço de um euro. O Estado deverá comprometer 5 milhões dos 17 milhões previstos no resgate. 

No sábado, o Mecanismo Único de Resolução europeu determinou que se liquidasse estes dois bancos italianos, mas seguindo as regras italianas, e não as europeias - ao contrário do que aconteceu com o Popular, comprado pelo Santander também por um euro.

O Banco Central Europeu autorizou a operação que salvaguardará as poupanças dos clientes das duas instituições, evitando ainda o efeito de contágio sobre outros bancos em risco. A decisão foi tomada depois de os dois bancos terem sido incapazes de oferecer "soluções credíveis" para o futuro, nomeadamente no que diz respeito à recapitalização.

"Este resgate é a favor dos titulares de contas correntes, dos investidores [...], daqueles que trabalham nestes bancos, da economia deste país e, finalmente, da saúde do nosso sistema bancário", argumentou ontem o chefe do governo italiano, Paolo Gentiloni.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Maria Santos 26.06.2017

A banca continua a ser salva?! Um escândalo! As pessoas/os trabalhadores continuam a serem espoliados dos seus direitos:trabalho, menos regalias sociais, saúde,... Também há milhões de europeus pobres, milhões a viver na rua, e...Esta UE também tem de mudar.

Saber mais e Alertas
pub