Banca & Finanças Banca paga 381 mil a Sérgio Monteiro para vender Novo Banco

Banca paga 381 mil a Sérgio Monteiro para vender Novo Banco

São os bancos portugueses que têm uma factura de 381 mil euros para pagar a Sérgio Monteiro pela gestão da venda do NB. Um valor que pode chegar a 457,2 mil se o banco não tiver saído da esfera pública até Abril.
Banca paga 381 mil a Sérgio Monteiro para vender Novo Banco
Bruno Simão
Diogo Cavaleiro 02 de janeiro de 2017 às 21:45
É o Fundo de Resolução, financiado pelas instituições financeiras, que tem o encargo sobre a resolução do BES e despesas decorrentes da operação. Um custo que ainda está por calcular. 

Sérgio Monteiro é o gestor do processo de venda do herdeiro do BES contratado pelo Banco de Portugal. Recebe 25,4 mil euros mensais brutos, a que acresce ainda o IVA. Até Novembro, auferiu 304,8 mil euros e tem já um novo contrato até ao final do mês, o que sobe a factura até aos 381 mil. Se for necessário renová-lo por mais três meses, como prevê o contrato, ascende aos 457,2 mil euros.

Este é o valor despendido para a contratação de Sérgio Monteiro, mas há ainda outras parcelas a acrescentar às contas que o Fundo de Resolução enfrenta. No segundo processo de venda, iniciado no final do ano passado, o Deutsche Bank é o assessor financeiro mas, neste momento, continua sem saber-se quanto recebe para desempenhar o papel. O BPN Paribas tinha, no primeiro concurso internacional, um contrato de 15 milhões de euros, ainda que dependente do sucesso da operação. Como a mesma falhou, não é claro qual o montante executado. A também assessora TC Capital tem direito a 390 mil euros.

No campo jurídico, o escritório de advogados Allen Overy teve já dois contratos com um preço máximo de 2,1 milhões de euros. A VdA conta com três, de 4,7 milhões. Estes são valores máximos, pelo que o executado pode ser inferior. Mas a todos acresce ainda o IVA a pagar. Em suma, o regulador comprometeu-se com, pelo menos, gastos de 22,6 milhões ainda que possa não ter gasto perto disso.

As contratações têm sido feitas pelo regulador, mas é ao Fundo de Resolução (bancos) que caberá o custo final, embora não seja certo quando: "Serão suportadas pelo Fundo as despesas relacionadas com o processo de venda do Novo Banco que decorram dos serviços contratados pelo Banco de Portugal com aquela finalidade."



A sua opinião34
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
O PPD e quem mais ordena no BdP....! 04.01.2017

Como o Serginho e' parte do bando do PPD agora o anao sem vergonha MM ja nao se poe em cima da mesa a guinchar "ohdaguada" contra tamanho gamanco .O ordenado do outro na CGD comparado com esta palmada eram "trocos de bolso".

Anónimo 03.01.2017

Mas no governo em exercício, não há ninguém com capacidade para vender o banco!!
Tantos funcionários públicos e nenhum com competência!! E assim, continua o saque!!

Anónimo 03.01.2017

O Costa está a dormir na formatura e o bloco e o PCP não se estão a meter nisto... cheira-me que há aqui gato... esta venda aos fundos abutres tem mais que se lhe diga... por mim a CGD tomava conta daquilo e não se andava a dar de mamar a estes mamões...

CaTu 03.01.2017

Se isto continua ainda o valor da "venda" do banco não chega para pagar os custos da operação ... então porque não dá-lo ao próximo vencedor de uma raspadinha?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub