Banca & Finanças Banco BPI extingue função de subgerentes

Banco BPI extingue função de subgerentes

O Banco BPI extinguiu a função de subgerentes, tendo comunicado a decisão esta semana aos trabalhadores neste cargo e que atingem várias centenas, apesar de manterem a categoria profissional e respectiva remuneração.
Banco BPI extingue função de subgerentes
Lusa 15 de dezembro de 2016 às 17:08

Segundo contaram trabalhadores à Lusa, a informação foi avançada pelas estruturas do BPI aos subgerentes esta terça-feira, o mesmo dia da assembleia-geral do banco que aprovou a venda parcial do Banco de Fomento de Angola (BFA), tendo então sido dito que a decisão entraria em vigor esta sexta-feira, 16 de Dezembro.

 

Na comunicação aos trabalhadores foi ainda dito que, apesar da extinção da função, continuarão a exercer nas agências do BPI as mesmas tarefas que até agora.

 

Apesar de desaparecer a figura do subgerente na organização interna do banco, os trabalhadores mantêm a categoria profissional (até por força da legislação laboral do sector bancário) e não perdem remuneração.

 

Além da figura do subgerente, no BPI há ainda a figura do 'segundo responsável', que nesta reorganização interna também desapareceu.

 

De acordo com a explicação obtida pela Lusa, os segundos responsáveis exercem no BPI funções de subgerentes mas sem terem formalmente essa categoria. Até agora, esses trabalhadores tinham a expectativa de subirem a subgerentes, aumentando o salário.

 

Tanto os subgerentes como os segundos responsáveis passam agora a gestores de clientes.

 

A Lusa contactou fonte oficial do BPI sobre as razões por detrás desta decisão, mas até ao momento ainda não obteve informação.

 

Já a Comissão de Trabalhadores do BPI afirmou que o órgão representativo dos trabalhadores pediu mais informação à administração sobre o mesmo tema.

O BPI tem em curso uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) do Caixabank, o seu principal accionista com 45,50% do capital social, que deverá ser registada em breve pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O Caixabank oferece 1,134 euros por acção, sendo a operação sobre os 100% de acções.

No entanto, este processo ainda pode sofrer sobressaltos. Vários pequenos accionistas, entre os quais a 'holding' Violas Ferreira Financial (com 2,7%), já fizeram saber que o preço oferecido é baixo e pedem à CMVM que nomeie um auditor independente para definir o preço justo ou ameaçam avançar com acções na justiça.

Os sindicatos que representam os trabalhadores bancários estão cautelosos quanto ao impacto sobre o BPI caso o banco espanhol passe a controlar totalmente a instituição.

(Notícia actualizada às 18:20 com mais informação)




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Carlos Pinto 15.12.2016

Nada disso... os actuais são convidados para outras funções ou então já têm idade para ir andando para casa, e os administrativos passam a desempenhar essas funções, com as inerentes responsabilidades, mas a ganhar como administrativos!!! estão atrasados, porque os outros já fazem isso há algum tempo

Pedro Lopes 15.12.2016

Passam é a ganhar menos

Anónimo 15.12.2016

Bem visto,afinal o gasto esta no nome, e nao em quem o surrepia.Aprendemos todos os dias.

pub