Banca & Finanças Banco central da China nega medidas de controlo de capital

Banco central da China nega medidas de controlo de capital

Um membro do Banco Popular da China esclarece que os novos regulamentos sobre transacções de dinheiro e transferências para o exterior, publicados na sexta-feira, não são medidas de controlo de capitais encapotadas.
Banco central da China nega medidas de controlo de capital
Negócios 02 de janeiro de 2017 às 08:31

Um membro do banco central da China esclareceu esta segunda-feira, 2 de Janeiro, que os novos regulamentos sobre transacções de dinheiro e transferências para o exterior não são controlos de capital, avança a Bloomberg citando a Xinhua News Agency.

Os comentários do responsável surgem depois de o Banco Popular da China ter publicado novas regras, na sexta-feira, que alimentaram receios de que o Governo estaria a impor controlos de capital de forma disfarçada.

"Não são controlos de capital", assegurou Ma Jun, economista-chefe do departamento de pesquisas do banco central. A quota anual de 50 mil dólares para compra de moeda estrangeira permanece inalterada, e as regras não afectarão as actividades normais, como investimento e operações no exterior, ou viagens e estudos, acrescentou Ma.

A autoridade monetária informou, na sexta-feira, que vai apertar as regras para os bancos relativas à comunicação das transacções transfronteiriças dos clientes a partir de 1 de Julho como parte dos esforços intensificados para travar a lavagem de dinheiro e evitar o financiamento do terrorismo.

As instituições financeiras assumirão a responsabilidade pela elaboração de relatórios e não haverá nem documentação extra nem procedimentos de aprovação oficiais para empresas e indivíduos, garantiu Ma.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub