Banca & Finanças Banco de Portugal: Acção do BCP não impede venda do Novo Banco

Banco de Portugal: Acção do BCP não impede venda do Novo Banco

O regulador vem confirmar o que ontem o BCP já tinha garantido: o pedido de apreciação judicial não trava o negócio para a passagem do Novo Banco para as mãos do Lone Star.
Banco de Portugal: Acção do BCP não impede venda do Novo Banco
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 02 de setembro de 2017 às 11:34
O Banco de Portugal assegurou este sábado, 2 de Setembro, que a acção interposta pelo BCP em tribunal - contra a injecção de 3.890 milhões de euros por parte do Fundo de Resolução do Novo Banco - não invalida nem o acordo para a venda do herdeiro do BES ao Lone Star, nem afecta o calendário de alienação.

"Tendo tomado conhecimento da comunicação do BCP, o Banco de Portugal sublinha que não há qualquer alteração no procedimento de venda do Novo Banco, nomeadamente no acordo assinado com o Lone Star e no calendário acordado", escreve a entidade liderada por Carlos Costa num comunicado enviado à imprensa. 

O regulador sustenta que a acção judicial interposta junto do tribunal administrativo "não tem como objetivo suspender ou travar este processo de venda", pelo que "o processo de venda do Novo Banco decorrerá dentro dos prazos previstos." 

O comunicado é remetido horas depois de, esta sexta-feira, o banco lideraro por Nuno Amado ter anunciado, num comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o início de uma acção judicial contra o mecanismo de protecção dos activos problemáticos do Novo Banco previsto no acordo de venda do Novo Banco ao Lone Star.

Nessa altura, a instituição já sublinhava o que o Banco de Portugal agora reconfirma. Ou seja, que em causa não está suspender a venda do Novo Banco, mas sim questionar o facto de o Fundo de Resolução (financiado pela banca, incluindo o BCP) poder ter de injectar até 3.890 milhões de euros no Novo Banco caso as perdas causadas por activos problemáticos levem o rácio de solidez da instituição abaixo dos 12%.

A decisão de questionar juridicamente esta componente da transacção com o fundo norte-americano foi tomada no último dia do prazo disponível e "por cautela", justificou ontem o BCP. 

Como o Negócios noticiou, os bancos, através da Associação Portuguesa de Bancos, já tinham manifestado junto do Fundo de Resolução as suas preocupações relativamente ao mecanismo que visa proteger a Lone Star dos riscos associados aos activos problemáticos do Novo Banco. Como não recebeu esclarecimentos satisfatórios, o BCP decidiu avançar para o Tribunal Administrativo, o órgão para contestar judicialmente este mecanismo.

(Notícia actualizada às 11:47 com mais informação)



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
surpreso Há 2 semanas

Quem vai impedir são os OBRIGACIONISTAS

General Ciresp Há 2 semanas

O dorminhoco a fazer-se de valente rodeado de 1900 trabalhadores.Como se o passado nao tenha mostrado um cobardola q ferra pela calada da noite.Gostava que anuncia-se para quando a vassourada na casa que orienta.Ha medida que os meus filhos partem para a vida deles,diminu-o os pratos na mesa,logico.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub