Banca & Finanças Banco de Portugal tem várias propostas para o malparado da banca

Banco de Portugal tem várias propostas para o malparado da banca

A instituição presidida por Carlos Costa não terá recebido apenas a proposta feita pelo ex-partner do Goldman Sachs, António Esteves, que apresentou uma solução de 15 mil milhões de euros para limpar o malparado da banca.
Banco de Portugal tem várias propostas para o malparado da banca
Miguel Baltazar
Negócios com Lusa 25 de janeiro de 2017 às 12:40
O Banco de Portugal (BdP) afirmou esta quarta-feira que tem recebido "contributos e propostas" de "operadores de mercado, investidores potenciais e consultores" relativamente ao crédito malparado na banca, encontrando-se "a trabalhar com o Governo" nesta matéria.

"É do conhecimento público que o Banco de Portugal e o Governo têm vindo a trabalhar com vista à redução dos impactos negativos sobre o sistema financeiro e a economia do peso excessivo dos activos não produtivos no balanço dos bancos. Há diversos operadores de mercado, investidores potenciais e consultores que têm feito chegar às entidades responsáveis os seus contributos e propostas", refere o Banco de Portugal, acrescentando: "O trabalho vai continuar".

O Banco de Portugal reagia assim, numa nota escrita enviada à agência Lusa, à manchete desta quarta-feira do jornal Público, segundo o qual um "português oferece 15 mil milhões [de euros] para limpar malparado da banca".

Segundo o diário, a proposta é de um "ex-partner" do Goldman Sachs que "representa [um] consórcio internacional que quer fazer negócio com crédito de risco dos bancos" e "chegou há dois meses ao Governo e ao Banco de Portugal".

Contactada pela agência Lusa, fonte oficial do Ministério das Finanças não quis comentar.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub