Banca & Finanças Banco espanhol Sabadell vende 4,1% do BCP

Banco espanhol Sabadell vende 4,1% do BCP

O Sabadell vai vender a sua participação no BCP. Era um histórico parceiro e o terceiro maior accionista. A saída acontece depois da compra de 16,7% pela Fosun mas antes das operações que levarão o grupo chinês até 30%.
Banco espanhol Sabadell vende 4,1% do BCP
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 12 de dezembro de 2016 às 17:08

O banco espanhol Sabadell vai sair do BCP, avança a Bloomberg e confirmou já a instituição financeira. A sua participação vai ser alienada depois de a Fosun ter adquirido 16,7% do capital da instituição financeira.

 

O Sabadell era o segundo maior accionista do banco liderado por Nuno Amado (na foto) atrás da Sonangol. Com a entrada do grupo chinês, desceu para a terceira posição, com uma participação de 4,1%.

 

De acordo com a agência Bloomberg, a operação está a ser gerida pelo Citigroup. "A referida alienação realizar-se-á mediante o lançamento de uma oferta particular das acções, a realizar através de um processo de 'accelerated bookbuilding' [colocação acelerada] dirigido exclusivamente a investidores qualificados e institucionais", indica o comunicado à CMVM que oficializa a notícia. 

Não é indicado quem é o comprador já que a colocação, embora acelerada, não foi concluída. 

 

A saída do Sabadell, que detém 4,1% do capital, ocorre antes de possíveis mudanças no banco. A assembleia-geral do banco que pode decidir a subida desse limite para 30% (como quer a Fosun) foi adiada para 19 de Dezembro. O objectivo é que também a Sonangol possa receber luz verde do BCE, já dada à Fosun, para superar a fasquia dos 20% quando os estatutos o permitirem. 

 

O Sabadell sai antes da autorização e antes das operações. A Fosun quer passar dos 16,7% para os 30% ou através de novos aumentos de capital ou de compras a accionistas em mercado secundário. 

Em Agosto, depois de os donos da Fidelidade e da Luz Saúde terem anunciado a vontade de investir no BCP, o Sabadell afirmara ao Negócios que o banco português era um "sócio estratégico". "Tudo o que seja bom para o BCP é bom para nós", disse na altura a instituição. 

Participação vale 50 milhões de euros 

Segundo a Bloomberg, a venda por parte do Sabadell é de uma posição de 4,1%, o que foi também confirmado pelo banco espanhol. Em Novembro, foi anunciado que a posição do Sabadell era de 4,23% representadas por 39,9 milhões de acções, pelo que ficará ainda com cerca de 0,1% do capital.

Em relação a esta pequena posição com que fica no BCP, o "Sabadell assumiu, perante o Citi, um compromisso de não alienação (lock-up), sem o consentimento prévio por escrito do Citi, por um período de 90 dias contados da presente data". 
 

Ao fecho desta sessão de segunda-feira, o valor de cada acção do BCP é de 1,2902 euros (perdeu 1,41% na sessão). Aos preços de mercado, esta posição é de cerca de 50 milhões de euros.


O Sabadell é accionista do BCP desde 2000, ano em que os dois bancos firmaram uma parceira que implicou participações cruzadas entre ambos. 


(Notícia actualizada às 17:20 com mais informações; actualizada às 18:30 com comunicado à CMVM) 




A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 12.12.2016

Os próprios chineses já o afirmaram clara e textualmente: querem os bancos portugueses para os utilizarem como cavalos de troia, ou seja, não lhes interessa o negócio dos bancos em si mas o instrumento (baratíssimo)de entrada no espaço da União.
O Governo português e as autoridades da União com a pasta dos bancos acham que tal propósito é aceitável e desejável? Se pensam isso andam todos bêbados!
Para já, que não permitam que aumentem a fasquia de poder dos 20% para os 30%. dois acionistas (de origens manhosas) com 30 mais 30% no banco ficam senhores absolutos.

comentários mais recentes
surpreso 13.12.2016

Enquanto a CMVM for conivente no roubo aos accionistas,não saímos disto.O Sabadell não vai vender os 4,1 porcento em Bolsa

O Tuga é COBARDE(sempre foi). E "ELES" sabem disso 13.12.2016

Ó anónimo das comemorações oficiais
NÃO adianta NADA dizeres VERDADES nas redes sociais.
Achas mesmo que algum vez os privados vão sair à rua ou manifestarem-se de alguma maneira? Falta um LÍDER FORTE que queira pegar o touro pelos CORNOS. Conheces algum? Estão TODOS na MAMA do Estado.(Esq e Dir.)

francisco rodrigues 13.12.2016

Como é possível que o comentário "Comemorações Oficiais" tenha muito mais de 300 letras seja publicado?
Será que não é ninguém do negócios que não tem coragem e diz-se anónimo?

Nao Sao Burros os Espanholitos? 12.12.2016

Pois ja sabem no que vai dar este banco falido, pelos chinocas. A pois os Chinocas sao como os Eucaliptos, secam tudo a volta. So quero e que o Bando -Corruptos- Porcos, devolva o dinheirinho que pediu emprestado. E o resto enforquem o grande geo do Amado e seu GANG.

ver mais comentários
pub