Banca & Finanças Banco Popular com novas provisões de até 2 mil milhões de euros

Banco Popular com novas provisões de até 2 mil milhões de euros

A revisão dos preços dos activos imobiliários vai conduzir a provisões adicionais, que o Expansión assinala que ascendem a 2 mil milhões. O processo deverá ficar concluído até ao final do mês, altura em que se espera que haja propostas vinculativas pelo grupo espanhol.
Banco Popular com novas provisões de até 2 mil milhões de euros
DR/Banco Popular
Diogo Cavaleiro 02 de junho de 2017 às 07:44

O Banco Popular acredita que a cobertura dos activos imobiliários vai obrigar à constituição de novas provisões até 2 mil milhões de euros, segundo avança o jornal espanhol Expansión, com base em fontes próximas do processo, mas que não são identificadas.

 

O banco espanhol está a levar a cabo um processo de revisão do preço dos seus activos imobiliários e, para já, a expectativa é que tenha de registar descidas dos preços no seu balanço, para se adequar ao preço do mercado, o que leva à necessidade de constituir provisões – reconhecimento antecipado de eventuais perdas que se podem concretizar no futuro.

 

Segundo o Expansión, o processo de revisão da carteira do imobiliário do Popular está já concretizado na sua maioria, faltando apenas percorrer 20% do portefólio, o que o banco acredita conseguir fazer até ao final de Junho.

 

O Popular está à venda e aguarda, neste momento, que existam propostas vinculativas, embora o El Confidencial tenha indicado que foram solicitadas mais informações sobre a situação da instituição financeira, com o principal foco na evolução dos depósitos. O Expansión diz que é no final de Junho que se espera que haja, então, propostas vinculativas pelo banco no processo que está a ser liderado pelo JPMorgan.

 

Em bolsa, o banco liderado por Emilio Saracho tem estado a ser castigado pelos investidores, em parte porque, ainda que se fale do Santander, BBVA, Bankia, Sabadell e CaixaBank como interessados no banco, não há ainda uma proposta firme. E a expectativa de uma intervenção pública (com uma medida de resolução) no grupo espanhol é também grande.

As acções da instituição financeira têm tocado em valores mínimos históricos, isto é, cotações nunca antes por si registadas na bolsa espanhola.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Meu caro
Aprenda a dar noticias, porque o que saiu nos jornais espanhóis é que se estima que as provisões sejam de 2.000 mil milhões ou inferiores, MAIS BAIXAS do que os analistas estimavam inicialmente de 4 Mil milhões e na noticia acima interpreta-se o contrário. "Jornalismo sério........."

pub