Banca & Finanças Banco Popular Portugal passa a ser sucursal do Popular espanhol

Banco Popular Portugal passa a ser sucursal do Popular espanhol

O Banco Popular Portugal vai deixar de ser um banco. As agências continuarão a funcionar mas os clientes passam a ser clientes do Popular Espanhol. O passo é dado após a redução de pessoal e o fecho de balcões.
Banco Popular Portugal passa a ser sucursal do Popular espanhol
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 05 de janeiro de 2017 às 16:49

O Banco Popular Portugal vai transformar-se numa sucursal do Popular Espanhol. Os clientes deixam de ser clientes de um banco de direito português e passam a clientes da sucursal de um banco espanhol.

 

"O Banco Popular Portugal, S.A. informa que o seu conselho de administração e o do Banco Popular Español, S.A. aprovaram um projecto comum de cisão parcial transfronteiriça intracomunitária do Banco Popular Portugal, S.A., enquanto sociedade cindida, a favor do Banco Popular Español, S.A., enquanto sociedade beneficiária", indica um comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). 

Serão dados vários passos para concretizar a operação do banco actualmente liderado por Carlos Álvares (na foto). A actividade bancária tradicional (agências) do Popular Portugal é integrada no Banco Popular Español. Tal será feito através de uma sucursal: "O Banco Popular Español, S.A. constituirá uma sucursal para o exercício da referida actividade em Portugal".

 

Passando uma sucursal a assegurar a operação bancária tradicional da instituição, o Banco Popular Portugal fica esvaziado desses activos e, por isso, é transformado numa sociedade de locação financeira. Aí, ficarão a ser asseguradas as operações de locação financeira e imobiliária actualmente existentes no banco.


Operação concluída em Setembro

Este passo, a partir do qual o banco passa a sucursal e, portanto, passa a estar exposto ao risco espanhol e não ao português, enquadra-se numa reestruturação em que o grupo espanhol se encontra. Reestruturação que teve já impacto em Portugal quando o grupo cortou perto de 300 trabalhadores, através de rescisões por mútuo acordo, ficando com um quadro de 900 trabalhadores, ao mesmo tempo que eliminou 47 agências, passando a estar presente apenas no litoral e no sul do país.

 

A operação ainda não se efectivou: "A cisão encontra-se sujeita à verificação cumulativa de determinadas condições suspensivas e autorizações administrativas, melhor descritas no projecto de cisão, esperando-se que possa estar concluída no último trimestre do presente ano".


Este tipo de operações, tendo as autorizações devidas, não tem impacto administrativo nos clientes. Na prática, deixam de responder a um banco de direito português e passam a ser clientes de uma sucursal do grupo espanhol.

Depósitos garantidos por Espanha

A garantia dos depósitos transita para Espanha. Deixa de ser o Fundo de Garantia de Depósitos português a assegurar os 100 mil euros por titular e passa a ser o homólogo espanhol a garantir o reembolso desses produtos financeiros. Aí, os depósitos assegurados são, igualmente, de 100 mil euros por depositante. 

(Notícia actualizada às 17:00 com mais informações) 








A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 05.01.2017

Que pena ! ñ comer o dinheiro desses reformados das caixas... conheço uns administradores, bons amigos, se comessemos esse dinheiro todo, para carros de luxo, almoços com gajas, copos, viagens, iates ou veleiros, engenharias financeiras, isto é, trabalhar a gerir!

Anónimo 05.01.2017

Menos um problema para Portugal. Este banco está com gravíssimos problemas em Espanha, e vai necessitar de ajuda do Estado, ou de um enorme aumento de capital. Portanto é menos um problema para Portugal.

pertinaz 05.01.2017

OS POLÍTICOS PORTUGUESES ANDAM A DORMIR

É PARA ISTO QUE SERVE A DIPLOMACIA ECONÓMICA

TRUMP DIZ DISPARATES MAS INDUZ COMPORTAMENTOS IMPORTANTES NO LONGO PRAZO

pub