Banca & Finanças Bancos britânicos em boa posição para suportar um Brexit desordenado

Bancos britânicos em boa posição para suportar um Brexit desordenado

Os testes de stress realizados pelo Banco de Inglaterra foram positivos, com a banca a conseguir ultrapassar até um cenário de Brexit desordenado. Ainda assim, a autoridade alerta um divórcio desordenado juntamente com uma "recessão global severa" poderia empurrar os bancos para além dos limites dos testes de stress.
Bancos britânicos em boa posição para suportar um Brexit desordenado
Neil Hall/Reuters
Rita Faria 28 de novembro de 2017 às 08:21

Os sete maiores bancos do Reino Unido passaram nos testes de stress realizados pelo Banco de Inglaterra (BoE), cujos resultados mostram que as instituições estão em boa posição para enfrentar até um Brexit desordenado.

Segundo as informações divulgadas esta terça-feira, 28 de Novembro, pela autoridade monetária liderada por Mark Carney, o HSBC, o Lloyds Banking Group, o Nationwide Building Society, o Santander U.K. e o Standard Chartered passaram no exame à sua saúde financeira, enquanto o Barclays e o Royal Bank of Scotland só tiveram luz verde graças às medidas de reforço de capital que implementaram desde o final de 2016.

Embora os testes não tenham incorporado choques económicos especificamente relacionados com a saída do país da União Europeia, confrontaram os bancos com uma queda de 4,7% do produto interno bruto (PIB), uma desvalorização de 27% da libra face ao dólar, uma diminuição de um terço do preço das casas e 40 mil milhões de libras de coimas por má conduta.

"O cenário dos testes de stress engloba, por isso, um vasto conjunto de riscos macroeconómicos no Reino Unido que poderiam estar associados ao Brexit", referiu o Banco de Inglaterra, citado pela Bloomberg. Como resultado, conclui-se que "o sistema bancário britânico pode continuar a apoiar a economia real no caso de um Brexit desordenado".

Contudo, a instituição salienta que um divórcio desordenado – ou seja, sem acordo comercial ou acordo de transição - juntamente com uma "recessão global severa" poderia empurrar os bancos para além dos limites dos testes de stress, forçando-os a encolher as almofadas de capital. Nesse caso, os bancos estariam mais propensos a reduzir o crédito, acrescenta o Banco de Inglaterra.

A autoridade monetária também sinalizou que irá avançar com a exigência de uma reserva adicional de fundos próprios – contracíclica – que, em Junho, antecipou que aumentaria o capital requerido em todo o sistema em 11,4 mil milhões de libras. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub