Banca & Finanças Bancos italianos em queda com novo episódio de stress no sector

Bancos italianos em queda com novo episódio de stress no sector

O banco Carige falhou um aumento de capital de 560 milhões de euros e trouxe novos receios para o sector em Itália.
Bancos italianos em queda com novo episódio de stress no sector
Reuters
Rita Faria 16 de novembro de 2017 às 12:49

A maioria dos bancos italianos está em queda na bolsa de Milão, depois de mais um episódio que expôs a fragilidade do sector, a braços com uma elevada quantidade de crédito malparado.

Esta quinta-feira, o banco regional Carige falhou um aumento de capital de 560 milhões de euros, exigido pelo Banco Central Europeu (BCE). Segundo a Bloomberg, o banco convocou uma reunião do conselho de administração para esta manhã, para decidir se a instituição está em condições de seguir em frente com o seu plano de reestruturação e eventualmente adiar o prazo para a subscrição do aumento de capital. Em comunicado, o banco Carige informou que as condições para a venda das acções não haviam sido cumpridas, sem revelar mais detalhes.   

"O Carige neste momento deve esperar encontrar um investidor pronto para injectar capital no banco", porque a alternativa seria um bail-in, afirmou Stefano Girola, gestor de carteiras do Alicanto Discovery Opportunities Fund, citado pela agência noticiosa. "O aumento de capital não foi capaz de atrair investidores, já que o banco é estruturalmente incapaz de gerar lucros decentes".

O Carige foi o mais recente banco italiano a quem o BCE pediu para reforçar o capital depois de o governo do país ter sido forçado a resgatar o Banca Monte dei Paschi e a liquidar dois bancos regionais este ano.

Itália continua confrontada com o legado de 300 mil milhões de euros de crédito malparado nos balanços dos bancos que tem penalizado o crédito e atrasado a recuperação.

As acções do Carige foram suspensas esta quinta-feira, depois de terem afundado 11% na sessão de ontem, reduzindo a capitalização bolsista da instituição regional para 124 milhões de euros.

Nesta altura, o Monte dei Paschi cede 4,01% para 3,35 euros, o UBI Banca cai 1,49% para 3,84 euros e o BPER Banca desliza 2,69% para 4,15 euros. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 3 semanas

Mais aquel q a economia italiana perdeu com o afastamento da Italia do proximo campeonato do mundo a ser disputado na uniao sovietica.Como e q o fina-flor mario draghi vai dar a volta a semelhante imbroglio.Logo agora q o draghi fez da EU peixe do AVIARIO,e so:cagar e comer.Dinheiro aos montes.

Anónimo Há 3 semanas

Mais um sinal q deve ser tomado em conta noOE 2018 além d Rodésia,Angola ,alt politicas norte americanas,deslocaçao investimento para asi pacifico.As mdidas ficais radicais tomadas tao neste momento a reduzir investimento ,exportaçors consumo.Sejam inteligentes pra bem de todos e não de ideologias

Anónimo Há 3 semanas

"legado de 300 mil milhões de euros de crédito malparado nos balanços dos bancos".
É obra. Isto de dar créditos de milhões a quem não pode pagar tostões é uma atividade muito "aliciante".