Banca & Finanças Bancos justificam atrasos no recibo de comissões com questões técnicas

Bancos justificam atrasos no recibo de comissões com questões técnicas

A maior parte dos bancos não cumpriu a obrigatoriedade do envio da factura-recibo aos clientes com a discriminação de todas as comissões e despesas em que incorreram no ano passado, avançou o Público, esta quarta-feira.
Bancos justificam atrasos no recibo de comissões com questões técnicas
Miguel Baltazar
Raquel Godinho 26 de Outubro de 2016 às 17:38

Uma inspecção específica do Banco de Portugal encontrou 29 incumprimentos, num universo de 44 instituições, no que diz respeito ao envio da factura-recibo das comissões, que deveria ter ocorrido até ao final de Janeiro, avançou o Público. A Associação Portuguesa de Bancos (APS) esclareceu que o atraso no envio desta factura estará relacionado com questões técnicas.


"A implementação desta obrigação legal implicou alterações e desenvolvimentos significativos ao nível dos sistemas dos bancos que terão motivado o atraso referido pelo Banco de Portugal", afirma a APB em comunicado enviado aos jornalistas.


"Seja como for, a APB sublinha que os bancos já informam os seus clientes das comissões e despesas cobradas nos extractos e nas facturas que emitem, estas últimas com cariz fiscal", acrescenta a entidade liderada por Fernando Faria de Oliveira.


"A fatura-recibo é um documento informativo, de cariz recapitulativo, que visa permitir aos clientes ver agregadas num único documento as comissões e despesas, suportadas no ano anterior, associadas à conta à ordem. Trata-se de um elemento de informação adicional, uma vez que os bancos já disponibilizam aos seus clientes, ao longo do ano, toda a informação respeitante a comissões e despesas cobradas,  através dos extractos enviados (em papel ou por e-mail) e via plataformas como o homebanking e as ATM", conclui a associação que representa os bancos nacionais.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub