Banca & Finanças Bancos pedem mais ao BCE pelo segundo mês seguido

Bancos pedem mais ao BCE pelo segundo mês seguido

O financiamento do Banco Central Europeu à banca portuguesa totalizou 23,6 mil milhões de euros em Agosto, o que significa um agravamento pelo segundo mês.
Bancos pedem mais ao BCE pelo segundo mês seguido
Reuters

Os bancos portugueses estão mais dependentes do Banco Central Europeu. Pelo segundo mês seguido, houve um agravamento do financiamento cedido por Frankfurt à banca nacional. Uma subida não só em termos mensais, mas também na comparação homóloga. Aliás, desde o início de 2013 que não havia dois meses seguidos com avanços homólogos na exposição ao BCE.

 

Segundo os dados divulgados pelo Banco de Portugal esta terça-feira, 12 de Setembro, as instituições financeiras nacionais receberam 23,6 mil milhões de euros da autoridade monetária liderada por Mario Draghi (na foto) em Agosto, um aumento face aos 23,4 mil milhões em Julho. Em Agosto de 2016, a exposição ascendia aos 23,1 mil milhões.

 

Este foi o segundo aumento mensal seguido, sendo que também na comparação com os mesmos meses do ano passado também se deu a segunda subida seguida. Nas variações homólogas, a tendência tem sido sempre de recuo desde Março de 2013 até Julho deste ano. Aliás, foi em Janeiro e Fevereiro de 2013 que se marcaram os últimos dois meses em que a exposição ao BCE tinha aumentado, até volta a acontecer em Julho e Agosto deste ano.

 

Na altura da troika, com o estrangulamento da liquidez (os bancos não emprestavam entre si), atingiu-se o pico de 60,5 mil milhões de euros pedidos pela banca nacional ao BCE para cobrir as suas necessidades de financiamento. Era Junho de 2012. Desde aí o comportamento homólogo (menos volátil que o mensal) tem sido de descida, sendo que há agora estes dois meses de subida da exposição a Frankfurt.

 

O financiamento junto do BCE é uma das opções de gestão de liquidez dos bancos, nomeadamente quando há um corte nos empréstimos interbancários (nas operações entre as várias instituições), sendo também uma alternativa à obtenção de depósitos ou de outros recursos de clientes.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso 12.09.2017

O clássico FIM DE FESTA

comentários mais recentes
Qual é o problema? 12.09.2017

Vêm a geringonça a pedir e também pedem...

surpreso 12.09.2017

O clássico FIM DE FESTA

pub