Banca & Finanças Bancos aumentam financiamento junto do BCE

Bancos aumentam financiamento junto do BCE

A banca portuguesa aumentou o valor dos empréstimos junto do banco central, em Setembro, pela primeira vez em quatro meses. Ainda assim, a dependência do BCE continua longe dos níveis de 2011 e 2012.
Bancos aumentam financiamento junto do BCE
Pedro Catarino/Correio da Manhã
Sara Antunes 11 de Outubro de 2016 às 11:54

O montante total de financiamento da banca junto do Banco Central Europeu (BCE) ascendeu a 23,52 mil milhões de euros em Setembro, mais 1,67%, ou 386 milhões de euros, quando comparado com o mês anterior, de acordo com os dados estatísticos disponibilizados esta terça-feira, 11 de Outubro, pelo Banco de Portugal.

 

Setembro interrompe assim um ciclo de três meses consecutivos de quedas, mas continua a representar uma dependência menor do que há um ano, altura em que o financiamento da banca portuguesa junto do BCE estava nos 25,1 mil milhões de euros.

 

A banca nacional precisou de recorrer ao BCE em grande força depois da crise financeira que assolou o mundo. Em Janeiro de 2008, a dependência da banca nacional ao banco central estava nos 1,87 mil milhões de euros. Em Dezembro desse ano, depois da falência do Lehman Brothers, saltou para pouco mais de mil milhões de euros.

 

Dois anos depois, em Dezembro de 2010, este valor disparou para 40,9 mil milhões de euros, depois de a Grécia ter pedido ajuda financeira e dos receios em torno de novos pedidos entre Estados-membro estarem a aumentar. Portugal acabou por o fazer em 2011, o que levou a que o mercado fechasse para a banca nacional. Ou seja, tornou-se impossível que os bancos se financiassem no mercado regulamentar, precisando de recorrer ao banco central.

 

O pico desta necessidade foi atingido em Junho de 2012, quando os bancos portugueses tinham empréstimos de 60,5 mil milhões de euros junto do BCE. Desde então tem sido constante a redução do financiamento da banca nacional junto do banco central.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 3 semanas

O SINAIS SÃO MUITO CLAROS

VAMOS A CAMINHO DO ABISMO

pub