Empresas Banif com prejuízos de 124,6 milhões no primeiro semestre

Banif com prejuízos de 124,6 milhões no primeiro semestre

O Banif registou prejuízos de 124,6 milhões de euros durante os primeiros seis meses do ano.
Sara Antunes 18 de agosto de 2012 às 11:29
Os resultados do banco liderado por Jorge Tomé (na foto) foram de 124,6 milhões de euros nos primeiros seis meses deste ano, o que compara com o lucro de 8,5 milhões registados em igual período do ano passado, de acordo com um comunicado emitido pelo banco para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) na sexta-feira à noite. A margem financeira do Banif diminuiu 39% para 90,1 milhões de euros, enquanto o produto bancário diminuiu para metade face ao primeiro semestre do ano passado, passando de 277,3 milhões para 131,0 milhões.

As provisões e imparidades cresceram de 80,8 milhões de euros para 110,8 milhões, adianta a mesma fonte. “Atendendo à actual conjuntura económica, o Grupo manteve uma política prudente e conservadora no que respeita à avaliação da imparidade da carteira de crédito”, explica o banco em comunicado.

“O crédito bruto concedido a clientes atingiu 11.497,7 milhões de euros a 30 de Junho de 2012, diminuindo cerca de 3,8% em comparação com o 1º semestre 2011 e que se justifica no enquadramento do processo de desalanvacagem estabelecido no âmbito do PAEF. De salientar que, o segmento de empresas na carteira de crédito foi o que registou a menor descida em termos homólogos (-3%).”

“Os recursos de clientes (depósitos), registaram um ligeiro crescimento de 0,8%, em comparação com o final do exercício de 2011. Os recursos de clientes, em 30 de Junho de 2012, totalizavam 8.097,4 milhões de euros”, acrescenta a mesma fonte.

Após esta evolução da concessão de crédito e dos depósitos, o Banif conseguiu reduzir o rácio de transformação de 138,7% no final do ano passado para 131,7% no período em análise. Os bancos têm de reduzir este rácio para 120%, de acordo com o acordo com a troika.

O Banif adianta que a dependência do banco do Banco Central Europeu (BCE) ascendeu, durante o primeiro semestre, a 2,9 mil milhões de euros.

O banco acrescenta ainda que, “com o objectivo de assegurar o reforço dos níveis de solvabilidade, o Banif – Grupo Financeiro, já submeteu ao Banco de Portugal o Plano de Recapitalização que será objecto de análise/discussão com as autoridades nacionais.” A instituição não revelou qual o nível do Tier 1, rácio de capital que tinha como meta atingir os 9% no final do primeiro semestre, de acordo com as metas da EBA e terá de estar nos 10% no final deste ano, segundo as regras do Banco de Portugal. Ao contrário da maior parte das instituições portuguesas, o Banif ainda não implementou um programa de recapitalização.


A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
asCetana1am8 18.11.2016

http://citalopram40mg.click/ - citalopram http://canadianpharmacyviagra.click/ - viagra http://voltaren-gel.trade/ - cost of diclofenac http://clindamycin150mg.us/ - clindamycin 150 mg http://azithromycin-500mg.cricket/ - where can i buy azithromycin http://amoxicillin875.click/ - amoxicillin 875 mg

asCeta0ewj6v 07.11.2016

http://seroquelforsleep.cricket/ - seroquel xr for sleep http://azithromycin500mgtablets.date/ - visit your url http://valtrex-generic.party/ - valtrex http://desyrel.gdn/ - desyrel http://cheapretina.top/ - retin a cheap

Espoliado 19.08.2012

O mais triste é que os Supervisores e Justiça, pagos pelos contrinuintes, são cúmplices nas vigarices que os bancos fazem. Quando alguém denuncia ilegalidades na banca aos supervisores ou MP estes procuram abafar essas ilegalidades, dando sempre razão aos bancos.

@*(67g167g1)*;* 19.08.2012

Ao nível global alguns terão k fechar portas afim d acalmar o comum ds investidores e facilitar o regresso d outros aos mercados/ é necessário investir n sustentabilidade destas instituições privadas de crédito/ as k não forem capazes d o fazer poderão caso seja viável reverter para os cofres d estado

ver mais comentários
pub