Banca & Finanças Bankinter atribui "spread" mínimo de 1,25% a créditos a partir de 150 mil euros (cor.)

Bankinter atribui "spread" mínimo de 1,25% a créditos a partir de 150 mil euros (cor.)

O Bankinter passa a atribuir um "spread" mínimo de 1,25% e 1,5% consoante o valor do empréstimo solicitado. Em qualquer dos casos, em Espanha, a margem mínima atribuída é de 1,2%.
Bankinter atribui "spread" mínimo de 1,25% a créditos a partir de 150 mil euros (cor.)
Bruno Simão
Diogo Cavaleiro 16 de janeiro de 2017 às 13:32

O Bankinter voltou a alterar as condições dos seus créditos à habitação. Agora, só o valor do empréstimo serve para o cálculo do "spread", a margem que se junta ao indexante (Euribor) para calcular os juros a pagar. O "spread" mínimo mantém-se em 1,25% para os empréstimos superiores a 150 mil euros.

 

Em comunicado enviado às redacções, a sucursal portuguesa do espanhol Bankinter explica que, nos novos créditos, haverá dois novos "spreads" mínimos: 1,25% e 1,5%. Ambos são atribuídos consoante o montante do empréstimo que serve de base ao cálculo do "spread".

 

Assim, o "spread" de 1,25% é para os créditos superiores a 150 mil euros; a partir desse valor, aquela margem dos bancos desce para 1,25%. Até aqui, um dos critérios que poderia definir o "spread" mínimo, e que é agora abandonado, era a combinação do valor do empréstimo face ao valor do imóvel, explica a sucursal liderada por Carlos Brandão. 

 

Num crédito, há uma taxa de juro anual nominal (TAN). Essa taxa é uma percentagem aplicada a um empréstimo que permite o cálculo dos juros aplicados. Uma taxa que pode ser variável ou fixa. Tem como base a Euribor (taxa que os bancos aplicam nos empréstimos concedidos entre si) a que é acrescido o "spread", a margem que os bancos querem para si.

 

A apresentação de um "spread" reduzido tem sido a política do Bankinter desde que entrou em Portugal no ano passado, quando comprou a rede de agências ao Barclays. Começou em Abril de 2016 com uma margem de 1,5%, desceu um mês depois para o mínimo de 1,25%, afastando-se do Deutsche Bank que apresentava, na altura, um "spread" de 1,5% que era o mais baixo do mercado. 

 

"Esta iniciativa confirma o nosso compromisso com o mercado português e reafirma a nossa vontade de apoiar as famílias em Portugal. Disponibilizamos agora os 'spreads' mínimos mais baixos do mercado, depois de termos lançado uma campanha para transferência de crédito habitação e de termos reduzindo quase para metade o tempo entre a solicitação do crédito habitação e a escritura da nova casa", refere Carlos Brandão, presidente da sucursal portuguesa do espanhol Bankinter.

 

Mesmo com as novas regras, os portugueses continuam a pagar um "spread" mais elevado para comprar casa do que o pago em Espanha: 1,2%.

 

A atribuição do "spread" mínimo pode ter como pressuposto a subscrição e manutenção dos seguros de vida, multirriscos e protecção ao crédito, sendo que o site do banco menciona igualmente a hipótese de domiciliação de ordenado na instituição.



(Notícia corrigida às 14:22 para corrigir os "spreads", que se encontravam trocados)


A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Johnny 16.01.2017

Pois eu é não vou sustentar esses FDP, fizeram m* e agora nós é que pagamos com os spreads CRIMINOSOS
Deixo-me estar em casa da minha mãezinha que aqui é que se está bem
pdta que priu os bancos

Anónimo 16.01.2017

Jonhy mama. o meu é 0,3% a 3 meses. Com a Euribor a menos 0,327% eheheheh o banco ainda me devia mandar todos os meses umas garrafas de champanhe...pelo dinheiro que me fica a dever ehehehe

Johnny 16.01.2017

Dizem que é 1,25 mas depois chegamos lá e com as alcavalas todas pagas uns 3%
E eu a saber que há aí mamões a pagar spreads de 0,3% e mesmo zero e que o preço das casas não desceu nada ou mesmo subir só digo...
DE MIM NÃO LEVAM NADA !

Anónimo 16.01.2017

Pois pois...

pub