Banca & Finanças Bankinter aumenta lucros em 30,4% para 490 milhões de euros

Bankinter aumenta lucros em 30,4% para 490 milhões de euros

Excluindo a operação do Bankinter em Portugal, com a aquisição da operação do Barclays, os resultados líquidos relativos a 2016 seriam de 426,5 milhões de euros, mais 13,4% em relação ao ano anterior.
Bankinter aumenta lucros em 30,4% para 490 milhões de euros
Miguel Baltazar
Sara Ribeiro 26 de janeiro de 2017 às 10:39

O Grupo Bankinter fechou 2016 com um resultado líquido de 490,1 milhões de euros. Um valor que representa uma subida em 30,4% dos lucros face a 2015 e "um resultado novamente recorde na sua história e confirmando-se como a entidade mais rentável entre os bancos cotados em Espanha", segundo o comunicado enviado pelo banco esta quinta-feira, 26 de Janeiro.

Estes valores já incluem os dados da actividade em Portugal, desde a aquisição da operação do Barclays concluída a 1 de Abril do ano passado. Excluindo esta operação os resultados líquidos seriam de 426,5 milhões de euros, mais 13,4% em relação ao ano anterior.

O lucro antes de impostos da actividade portuguesa fixou-se em 7,7 milhões de euros.

No que se refere a Portugal, o grupo explica que "o resultado nestes nove meses, entre 1 de Abril e 31 de Dezembro, permite suportar fundadas esperanças sobre o seu potencial: os recursos de clientes cresceram 24% e o crédito 3%. A margem bruta deste negócio fecha o ano em 90,2 milhões de euros e com resultados antes de impostos de 7,7 milhões de euros", lê-se no mesmo comunicado.

Os resultados antes de impostos do grupo situaram-se 676,7 milhões de euros, o que traduz um aumento de 30,1% face ao ano anterior. Já a rentabilidade sobre o capital investido, ROE, sem contar com a operação portuguesa, alcançou os 10,9%, de acordo com o mesmo documento.

A taxa de incumprimento do Grupo Bankinter recuou de 4,01%, face a 4,13% registada em 2015, "incluindo os valores de incumprimento do negócio português, superiores aos do Grupo em termos relativos", detalha.

"Excluindo os valores de Portugal, o incumprimento situa-se nos 3,56%, um rácio que é menos que metade da média do sector em Espanha", acrescenta.

Relativamente ao balanço do Bankinter, os activos totais do Grupo, incluindo o negócio em Portugal, terminam o exercício nos 67.182,5 milhões de euros, o que representa mais 14,5% que em 2015.

A rubrica de volume total de crédito a clientes totalizou 51.333,7 milhões de euros, mais 16,2% que há um ano. O crédito a clientes, não incluindo Portugal, "alcança no final de 2016 os 46.777,1 milhões de euros, mais 5,9% que há um ano, ou 2.594,5 milhões de crescimento orgânico no ano, enquanto o sector reduziu o volume de crédito em 3,1%", aponta o banco.

Quanto aos recursos de clientes, excluindo a actividade portuguesa, a 31 de Dezembro de 2016 situavam-se em 40.451,4 milhões de euros, um aumento de 16,9% que compara o crescimento do sector em Espanha de 2,8%.

 
(Notícia actualizada às 10:56 com mais informação)


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Joca esperto 26.01.2017

A receita do Barclays Portugal era simples:
Emprestar às taxas mais baixas do mercado, mas sempre contra garantias reais e a a clientes que podem pagar. O que não é normal é o que fizeram os outros a emprestar milhoes sem nenhuma garantia real...

Mr.Tuga 26.01.2017

Extraordinario como todos os estrangeiros conseguyem colocar a banca em tugal a dar lucro! Só os proprios tugas são incapazes....

pub