Empresas Banqueiros, gestores e políticos na investigação à rede de lavagem de dinheiro

Banqueiros, gestores e políticos na investigação à rede de lavagem de dinheiro

Jornais divulgam nomes de alegados suspeitos, escutados e clientes da rede de lavagem de dinheiro. Ana Bruno, administradora do Sol, é dada como tendo ligações ao cabecilha de um dos esquemas de branqueamento. Todos negam qualquer envolvimento.
Banqueiros, gestores e políticos na investigação à rede de lavagem de dinheiro
Negócios 24 de maio de 2012 às 10:05
Primeiro foram os políticos. A detenção de Michel Canals, o suíço suspeito de ter sido responsável por um esquema de branqueamento de capitais portugueses na Suíça através da sociedade Akoya, terá resultado da denúncia feita por Duarte Lima. O antigo deputado social-democrata terá usado o esquema para movimentar fundos de herança de Tomé Feteira.

Também Manuel Dias Loureiro, ex-governante social-democrata, volta ser referido hoje na imprensa como possível cliente da rede de lavagem de dinheiro. O antigo administrador da SLN, antiga dona do BPN, nega hoje, ao “Correio da Manhã”, qualquer ligação a este esquema, garantindo não conhecer a Akoya, empresa que Canals terá usado para branquear capitais. Já Isaltino Morais, presidente da Câmara de Oeiras, terá sido cliente dos gestores da Akoya, pelo menos enquanto estes trabalhavam na UBS, noticia o “Diário de Notícias”.

José de Oliveira Costa, antigo presidente do BPN, também é referido nas investigações como um dos possíveis clientes da Akoya. Mas além do banqueiro que está a ser julgado por irregularidades cometidas no banco nacionalizado em Novembro de 2008, surgem nas investigações, conduzidas sob o nome de código Operação Monte Branco, indicações de outros banqueiros.

Altos quadros do Grupo Espírito Santo são citados na Visão e na Sábado, revista que noticia que o presidente do Grupo, Ricardo Salgado, foi alvo de escutas no âmbito no âmbito da investigação conduzida pelo Ministério Público à actuação da Akoya. Também José Maria Ricciardi, presidente do BES Investimento, é citado na "Sábado" como tendo sido alvo de escutas. O banqueiro reagiu esta quarta-feira à noite, ainda antes de a revista ter sido distribuída nas bancas. Ricciardi negou pessoalmente qualquer envolvimento com este esquema, sublinhando que não conhece nem nunca falou com Michel Canals ou com outras pessoas citadas nos jornais. Já antes fonte oficial do BES havia considerado “difamatórias” as notícias envolvendo responsáveis do grupo nestes ilícitos.

Também ligados ao grupo BES, já tinham sido referidos os nomes de Amílcar Morais Pires, administrador do banco, e Álvaro Sobrinho, líder da operação em Angola, como possíveis clientes da rede de lavagem de dinheiro, referiram o “i” e a “Sábado”. A revista adianta ainda que António Horta Osório, presidente do britânico Lloyds, terá sido outro dos banqueiros investigados.

Gestores de grupos de media também constam da lista de possíveis envolvidos. Paulo Fernandes, presidente da Cofina (dona do Negócios) foi referido pelo “i” como possível cliente de Michel Canals, o que porta-voz da empresa desmentiu na própria notícia.

Por seu turno, Ana Bruno (na foto), administradora do jornal “Sol”, faz a capa da “Visão”, que a indica como tendo ligações ao presidente da empresa suíça, através da Acron Berlin Brandeburg Internacional Airport. Esta sociedade vai gerir um hotel no aeroporto da capital alemã e tem Ana Bruno como presidente, que por sua vez tem como parceiro Michel Canals. A advogada já negou veementemente qualquer envolvimento com o líder da Akoya.

O caso foi revelado na semana passada nos jornais. Hoje, a operação "Monte Branco", dirigida pelo Ministério Público (e sem a intervenção da Polícia Judiciária), faz manchetes de vários jornais. O caso promete continuar a dominar a agenda mediática, com a revelação de vários nomes de alegados clientes de Canals e de pessoas que, no âmbito do processo, foram investigadas.




A sua opinião64
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 24.07.2014

http://youtu.be/0JRqHwy2ybI

carla carvalho 28.05.2012

Vou esperar para ver o que resultado de toda a investigação. Quero ver o que se vai passar no sitema judiciário após serem revelados alguns dos nomes dos envolvidos. Sinceramente, não acredito que a justiça vá até ao fim. Morgado é talvez das poucas pessoas que ainda tem coragem para lutar, mas sozinha será dificil.

Espero que não seja só o Duarte Lima a pagar as favas, pois já todos vimos que existe muitos poderosos envolvidos.

Será que podemos acreditar que se fará justiça? Esperemos para ver

Anónimo 27.05.2012

Tinham razão os profetas que diziam que em 2012 o mundo iria acabar. Tanta merd* a vir á superficie, este pais está enquinado, não tem futuro.

Anónimo 26.05.2012

Só há uma maneira de acabar com a injustiça reinate em todos os dominios. Basta usar a Constituição. "Nas funções próprias dp Estado a que ele não der resposta cabal, o POVO pode substituí-se a ele e agir por si. Só o povo pode p^r a justiça a funcionar perseguindo directamente os criminosos que impunemente roubam tudo o que podem. Está na hora de o POVO usar o seu poder para fazer justiça directa.

ver mais comentários
pub