Banca & Finanças Barclays vai pedir a sete mil clientes para intensificarem transacções ou saírem do banco

Barclays vai pedir a sete mil clientes para intensificarem transacções ou saírem do banco

O britânico Barclays está a preparar-se para dizer a sete mil clientes para realizarem mais transacções com o banco ou procurarem outra instituição, de acordo com a Bloomberg. O objectivo desta medida é impulsionar as receitas.
Barclays vai pedir a sete mil clientes para intensificarem transacções ou saírem do banco
Negócios 19 de dezembro de 2016 às 10:41

Ou fazem mais operações com o banco ou procuram outra instituição bancária. Será mais ou menos isto que o Barclays estará a preparar-se para dizer a sete mil dos seus clientes, de acordo com a Bloomberg.

O banco britânico lançou um novo sistema informático, o Flight Deck, que classifica cada cliente da sua unidade de "trading" de acordo com o retorno que gera para a instituição. Assim, o Barclays pode dar prioridade à relação com os clientes que são mais lucrativos e descartar aqueles que não dão grandes contributos para o retorno do banco, segundo a mesma fonte.

A instituição financeira britânica eliminou, desde 2014, 17 mil clientes devido às regras mais duras no que diz respeito ao retorno de capital. Com este novo sistema agora implantado, mais sete mil clientes do Barclays podem ter de procurar uma nova instituição financeira, escreve a Bloomberg.

Esta é uma das últimas tendências do sector para reduzirem a lista de clientes de forma a que constem apenas aqueles que produzem lucros significativos.

Os bancos de investimento mundiais têm vindo a cortar os laços com os clientes mais pequenos e a tentar captar uma fatia maior de negócio junto dos grandes fundos internacionais. As novas regras internacionais estão a levar o sector a repensar as suas novas formas de obtenção de receita.

Kashif Zafar, co-responsável da distribuição global e co-responsável dos macro-produtos do Barclays, disse em entrevista que "temos os valores do retorno e assim podemos começar a ter as conversas duras com os clientes que vão ao encontro" do desempenho que pretendemos. 


A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
beachboy 19.12.2016

...lol...se a imbecilidade mata-se!...
...o que não vão faltar são onstituições interessadas em ficar com contas simples...
...todo o banco bem gerido e sem malparado está interessado nos depósitos e nos ordenados de quem trabalha!...
...os bancos trambiqueiros podem ficar com os clientes trambiqueiros...
...vão fazer ótimos negócios juntos!...
...e ajudar a agravar as suas situações...
...a posição do Barclays é a de um banco crónicamente em dificuldades...
...o futuro cá estará para separar as águas...
...na altura veremos se tinham razão!...

Johnny 19.12.2016

hahahaha
o mundo tornou-se um circo de palhaçada total
Mas QUEM é que precisa de ser escravo de um banco ? O dinheiro está tão bem em casa debaixo do colchão (à prova de fogo)
PTA QUE PRIU OS BANCOS !

Dono dos Burros 19.12.2016

Ontem o zeborting perdeu, daí os anti-esquerdalha estarem de cama e ainda não terem aparecido para comentar favoravelmente a notícia. Temos que esperar que os burros apareçam

Anónimo 19.12.2016

Simpáticos e competentes. Deixaram saudades por cá....

pub