Transportes Barraqueiro com melhor preço para Metro do Porto

Barraqueiro com melhor preço para Metro do Porto

O grupo Barraqueiro terá apresentado o melhor preço no concurso para a subconcessão por sete anos do metro do Porto, sendo este o único critério de selecção.
Barraqueiro com melhor preço para Metro do Porto
Paulo Duarte/Negócios
Negócios 11 de outubro de 2017 às 12:25

O Grupo Barraqueiro apresentou o melhor preço no concurso público para a subconcessão da operação e manutenção do Metro do Porto. A notícia foi avançada pela "Transportes em Revista", mas não foi confirmada pela Metro do Porto.

A publicação especializada refere ainda que em segundo lugar terá ficado a proposta apresentada pelo consórcio Mota-Engil/MGC Transportes e em terceiro a Avanza (através da participada Corporacion Española de Transportes).

O concurso, lançado a 23 de Junho, tinha como valor de referência os 221 milhões de euros, sendo o critério único para selecção do vencedor o mais baixo valor.

Os seis candidatos que apresentaram propostas na passada sexta-feira foram a Barraqueiro, a Corporatión Española de Transportes, a DST – Domingos Silva Teixeira, o consórcio da Mota-Engil, a Neopul, do grupo Somague, e os franceses da Transdev.

O grupo Barraqueiro é actualmente o líder do consórcio ViaPorto, responsável desde 2010 pela operação do metro, que integra ainda na sua estrutura accionista a Arriva, a Keolis e a Manvia, do grupo Mota-Engil.

Depois de concluído o relatório do júri do concurso é que o conselho de administração da Metro do Porto aprovará a decisão de adjudicação.

O contrato, que entrará em vigor a 1 de Abril de 2018, compreende toda a operação regular do metro – área onde se incluí segurança e apoio aos clientes -, bem com as grandes revisões da frota de material circulante, as grandes manutenções de sistemas técnicos e do sistema de bilhética. A subconcessão terá um período de sete anos, entre Abril de 2018 e Março de 2025.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub