Turismo & Lazer Barreira dos 23 milhões de turistas já foi ultrapassada em 2017

Barreira dos 23 milhões de turistas já foi ultrapassada em 2017

O sector do turismo olhava para 2017 como o ano onde seria possível ter mais de 22 milhões de turistas. Basta juntar os dados do INE ao peso do alojamento local para perceber que se foi ainda mais longe.
Barreira dos 23 milhões de turistas já foi ultrapassada em 2017
Bloomberg
Wilson Ledo 14 de fevereiro de 2018 às 22:00

Portugal terá ultrapassado os 23 milhões de turistas em 2017, superando em um milhão a meta que tinha sido definida para o sector.

"Tudo aponta para que se ultrapassem os 23 milhões. Ainda não temos números finais relativos ao alojamento local, mas mesmo que os de 2016 não subissem já estaríamos acima dessa meta", confirma ao Negócios fonte oficial da Secretaria de Estado do Turismo, liderada por Ana Mendes Godinho.

Em 2016, num relatório complementar do Instituto Nacional de Estatística (INE), o alojamento local pesava 12% dos hóspedes no país. Nesse ano, a actividade representou 2,6 milhões de hóspedes. Os dados debruçavam-se apenas sobre 1.381 estabelecimentos de alojamento local, quando o registo oficial – o RNAL – já apontava para as 47.245 unidades. O mesmo indicador está actualmente nos 57.666 espaços.

Mesmo que apenas se somasse os 20,6 milhões da hotelaria aos 2,6 milhões do alojamento local (registados em 2016, como se não houvesse uma evolução positiva), a barreira dos 23 milhões de turistas está garantida. Todavia, há toda uma outra realidade por contabilizar.

Ao Negócios, Eduardo Miranda, presidente da Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP), explica que os dados do INE apenas têm em conta unidades com mais de 10 quartos, sobretudo estabelecimentos de hospedagem e "hostels", que representam "menos de 10% da oferta". A "quase totalidade" é feita em apartamentos e moradias com menos de 10 quartos, que não entram nesse balanço.

Miranda dá ainda outro exemplo: só a Airbnb representou mais de 1,5 milhões de hóspedes em Portugal no ano passado, o que deixa de fora plataformas como a Booking e a Homeaway. Por isso, quando confrontado com o recorde dos 23 milhões de turistas agora batido, o presidente da ALEP lembra que as estatísticas estão "subestimadas". Esse recorde pode já ter sido batido no passado, diz.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado alcpf Há 1 semana

Isso é dormidas ou entradas de turistas? Um turista que fique 10 dias, corresponde a 10 dormidas, mas só contabiliza uma entrada!

comentários mais recentes
alcpf Há 1 semana

Isso é dormidas ou entradas de turistas? Um turista que fique 10 dias, corresponde a 10 dormidas, mas só contabiliza uma entrada!

Mr.Tuga Há 1 semana

É tipico de tuga atrasado... É até REBENTAR!

Enquanto os paises a SÉRIO criam restrições, o tuga é até rebentar e ser AMBIENTALMENTE insustentavel!

pub