Energia BASF estuda fusão de negócios do petróleo com alemã DEA

BASF estuda fusão de negócios do petróleo com alemã DEA

Sem valor nem calendário para a realização do negócio, a BASF limita-se a confirmar que está em conversações com a unidade de petróleo e gás da também alemã DEA, detida pelo fundo LetterOne, do milionário russo Mikhail Fridman.
BASF estuda fusão de negócios do petróleo com alemã DEA
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 24 de novembro de 2017 às 14:19
A BASF (liderada por Kurt Bock, na foto) está em conversações com a também alemã DEA para fusão dos negócios de petróleo e gás das duas empresas, não sendo no entanto certo que um acordo venha a ser assinado.

"A BASF ficará com a maioria das acções da empresa combinada. No médio prazo a entrada em bolsa da empresa conjunta poderá ser uma opção," referiu o gigante químico em comunicado no seu site.

Em causa está a combinação de negócios da Wintershall (unidade de petróleo da BASF) com o grupo energético DEA - resultado de um spin-off da RWE e detido através do fundo LetterOne, controlado pelo milionário russo Mikhail Fridman, adianta a Reuters.

Ao Financial Times, uma porta-voz da BASF recusou comentar o potencial valor do negócio ou o calendário para a sua realização, insistindo que as partes estão em conversações.

A Wintershall explora e produz petróleo e gás na Europe, Norte de África, Rússia, América do Sul e Médio Oriente, desenvolvendo ainda actividade de transporte de gás na Europa com a russa Gazprom.

A DEA (Deutsche Erdoel AG) está sediada em Hamburgo, Alemanha e explora e produz gás natural e petróleo. Tem actividade na Dinamarca, Egipto, Alemanha e Noruega, estando a iniciar operações na Argélia e possuindo licenças de exploração na Irlanda, Líbia, Suriname e Turquemenistão.

Patrick Lambert, analista da Raymond James, disse ao FT: "Não vemos nenhuma grande criação de valor nesta altura, já que ambos os activos estão pressionados, mas o valor pode ser solidificado mais tarde através de um IPO."

As acções da BASF sobem 2,84% para 95,03 euros em Frankfurt.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar