Empresas Bayer já enfrenta 8 mil processos relacionados com o herbicida da Monsanto

Bayer já enfrenta 8 mil processos relacionados com o herbicida da Monsanto

A condenação da Monsanto no caso do herbicida Roundup levou os processos contra a empresa a aumentarem de 5.200 para 8.000.
Bayer já enfrenta 8 mil processos relacionados com o herbicida da Monsanto
Ina Fassbender/Reuters
Rita Faria 23 de agosto de 2018 às 15:21

A alemã Bayer anunciou esta quinta-feira, 23 de Agosto, que o número de processos nos Estados Unidos contra a Monsanto – que adquiriu em Junho – aumentou de 5.200 para 8.000, depois de a agroquímica norte-americana ter sido condenada a pagar 290 milhões de dólares de multa por não ter informado sobre a perigosidade do herbicida Roundup, que terá estado na origem de um cancro num jardineiro.

 

"O número de queixosos, em litígios tanto ao nível estatal como federal é de aproximadamente 8.000 no final de Julho. Esse número pode aumentar ou diminuir com o tempo, mas a nossa opinião é que não é indicativo dos méritos dos processos dos queixosos", afirmou o CEO da Bayer Werner Baumann, numa conference call com analistas, citado pela Reuters. 

 

Aos analistas, o presidente executivo reiterou a sua convicção de que o veredicto do júri foi inconsistente com as conclusões científicas dos reguladores e acrescentou que a procura por produtos à base de glifosato – o principal componente do herbicida Roundup, que era usado pelo jardineiro que venceu o processo contra a Monsanto – continua muito forte.

 

Questionado sobre a possibilidade de a Bayer resolver estes processos fora dos tribunais, Baumann disse apenas que "defendemos vigorosamente este caso e todos os casos futuros".

 

Wolfgang Nickl, CFO da Bayer, acrescentou que os resultados do segundo trimestre, que serão divulgados a 5 de Setembro, incluem provisões para os custos legais com a defesa neste processo, mas não prevêem potenciais custos futuros.

 

Foi no passado dia 10 de Agosto que a Monsanto conheceu a decisão do tribunal, que condenou a empresa a uma multa milionária por não ter informado sobre os riscos de cancro associados à utilização de herbicidas à base de glifosato.

 

Na sequência dessa decisão, as acções da Bayer afundaram mais de 10%, naquela que foi a maior desvalorização em sete anos.

Nesta altura, os títulos estão a cair 1,63% para 82,07 euros, saldando em quase 20% a queda acumulada desde o início do ano.




Saber mais e Alertas
pub