Banca & Finanças BCE doa 50 mil euros devido a incêndios de Pedrógão Grande

BCE doa 50 mil euros devido a incêndios de Pedrógão Grande

A ajuda às vítimas de Pedrógão Grande anunciada por Mario Draghi em Sintra cifra-se em 50 mil euros, vindos da conta de caridade do BCE. Há ainda mais ajuda, proveniente de participantes que também quiseram doar.
BCE doa 50 mil euros devido a incêndios de Pedrógão Grande
Bruno Simão/Negócios

O Banco Central Europeu doou 50 mil euros à União das Misericórdias Portuguesas e à Liga Portuguesa dos Bombeiros com o objectivo de ajudar as vítimas e seus familiares do incêndio de Pedrógão Grande. O dinheiro é pago com valores recebidos em conferências que os membros da autoridade monetária não podem guardar para si.

 

"Na sequência das consequências trágicas dos fogos florestais em Portugal, em Junho, o BCE decidiu dedicar o seu Fórum anual do BCE, que teve lugar em Sintra, às vítimas e seus familiares e doar 50.000 euros à União das Misericórdias Portuguesas e à Liga Portuguesa dos Bombeiros", indicou o gabinete de imprensa do BCE ao Negócios esta quinta-feira, 17 de Agosto.

 

Foi a 26 de Junho que arrancou o 4.º Fórum do BCE e, na sua abertura, o presidente Mario Draghi anunciou que iria dedicar a conferência às vítimas do incêndio que teve Pedrógão Grande no epicentro, onde faleceram 64 pessoas. Nessa altura, Draghi revelou que iria haver uma doação, não especificada, apelando a quem estava presente para se juntar à intenção.

 

Aliás, além dos 50 mil euros directamente doados pela autoridade monetária, há ainda mais dinheiro entregue, ainda que não divulgado o seu valor. A ajuda do BCE, diz a entidade, é "complementada por contribuições individuais dos participantes do Fórum do BCE e dos bancos centrais nacionais do Sistema Europeu de Bancos Centrais".

 

Nas respostas ao Negócios, o gabinete de imprensa da entidade presidida por Mario Draghi ressalva que "as doações do BCE vêm da sua conta de caridade". Esta conta resulta das comissões que são cobradas em palestras ou conferências em que participem os membros da autoridade monetária.

 

Os funcionários e altos quadros do BCE têm regras de ética apertadas, pelo que não podem receber qualquer dinheiro de terceiros por questões que se relacionem com o seu trabalho no banco. É esse dinheiro que depois é encaminhado para acções de caridade, como a de Pedrógão. 

O BCE tem aliás uma iniciativa de caridade em que distribui por entidades de solidariedade social dos vários países da Zona Euro.

A confirmação do montante destinado às vítimas chega dois meses depois do incêndio de Pedrógão Grande que vitimou mortalmente 64 pessoas. 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 5 dias

A CAGADEIR*A tuguesa no seu melhor.... De mão estendida....
Povão PORC*O ILETRADO CRIMINOSO e DESLEIXADO que só faz MIERDA! E depois sempre a espera de caridade, perdoes, pUditórios.....

TRISTES de TRAMPA!

JCG Há 5 dias

50 mil! é pá que exagero... demasiado dinheiro... isso nem dá para comprar um carro para um subdirector do BCE. Que mãos largas!

surpreso Há 6 dias

Um mês de ordenado do Draghi e uma semana do Constâncio.Porreiro,pá!

General Ciresp Há 6 dias

Parece que ja estou a ver o mimico aritmetico abrir um buraco no cativeiro para enterrar este nacozinho sem codea.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub