Banca & Finanças BCE quer que BPI saia de Angola a prazo

BCE quer que BPI saia de Angola a prazo

O BCE quer que o BPI saia “gradualmente” de Angola. Quando aprovou OPA do CaixaBank, supervisor europeu pediu aos catalães a apresentação de um “plano de desinvestimento no BFA”.
A carregar o vídeo ...
Maria João Gago 17 de janeiro de 2017 às 12:38

O Banco Central Europeu (BCE) quer que o BPI venda a totalidade da sua participação no Banco de Fomento Angola e pediu ao CaixaBank para apresentar um plano de desinvestimento na instituição angolana. A revelação é feita pelo grupo catalão no prospecto da oferta pública de aquisição (OPA) sobre o banco liderado por Fernando Ulrich.

 

"O BCE emitiu, no documento que autorizou o CaixaBank a adquirir o controlo da sociedade visada [BPI] através da presente OPA, uma recomendação não vinculativa ao oferente para que reduza gradualmente a participação do BPI no BFA num período de tempo razoável", lê-se no documento publicado esta segunda-feira, depois de a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários ter registado a oferta, que teve início esta terça-feira.

 

Além de ter recomendado ao CaixaBank que faça com que o BPI saia de Angola, o supervisor pediu ao grupo catalão que tenha "preparado um plano de desinvestimento no BFA".

 

O maior accionista do BPI, cuja participação ascende neste momento a 45,5%, sublinha ainda que "o potencial desinvestimento, parcial ou total, no BFA deverá respeitar o acordo parassocial que vincula o BPI em relação ao BFA e cumprir com a legislação bancária local".

 

Em Dezembro de 2014, o BCE exigiu ao BPI que resolvesse o problema de excesso de concentração de riscos em Angola, decorrente do peso da sua exposição ao BFA. O banco de Ulrich tentou concretizar várias soluções para cumprir a imposição do supervisor europeu, mas não conseguiu pôr nenhuma em prática, devido à oposição da Unitel, empresa de telecomunicações que é parceira do BPI no banco angolano.

 

Depois de o CaixaBank ter lançado uma OPA sobre o BPI, em resposta ao fracasso das negociações com o parceiro angolano, é que foi possível alcançar um acordo com a Unitel para a venda de 2% do BFA ao grupo controlado por Isabel dos Santos. Mas o BCE só aceitou a venda do controlo do banco angolano como forma de resolver o problema do excesso de concentração de riscos, porque o banco português também deixou de ter influência na gestão do BFA.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
JCG 17.01.2017

Mas aonde é que já vai a paranóia! então agora o BCE é que define a estratégia dos bancos? isto anda tudo maluco e até parece que se gerou uma confederação para estoirar com a União Europeia.

Ciifrão 17.01.2017

O BCE não tem de se meter onde o BPI faz negócio, se der para o torto não paga o prejuízo.

pub
pub
pub
pub