Banca & Finanças BCE rejeita pedido do Monte dei Paschi para alargar prazo para aumento de capital

BCE rejeita pedido do Monte dei Paschi para alargar prazo para aumento de capital

A notícia foi avançada na última sexta-feira por vários órgãos de comunicação, mas agora é oficial. O BCE rejeitou o pedido do Monte dei Paschi para alargar o período que a instituição tem para realizar um aumento de capital de cinco mil milhões de euros.
BCE rejeita pedido do Monte dei Paschi para alargar prazo para aumento de capital
Bloomberg

Não é uma notícia que apanhe o mercado de surpresa, mas desta vez é oficial. O Banco Central Europeu (BCE) rejeitou oficialmente o pedido do italiano Banca Monte dei Paschi di Siena para alargar o tempo que tem para realizar o seu aumento de capital de cinco mil milhões de euros, escreve a Bloomberg.

O banco queria ter até 20 de Janeiro do próximo ano para concluir o processo de recapitalização, um pedido que foi assim negado pela instituição liderada por Mario Draghi, tendo o banco a data limite de 31 de Dezembro para o aumento de capital. A decisão da autoridade monetária faz crescer a possibilidade de o Estado italiano intervir na instituição, uma vez que o tempo para angariar investidores privados diminuiu.

O líder do banco, Marco Morelli, segundo a agência noticiosa, está a tentar encontrar financiadores para a reorganização do banco que pode limpar a folha de balanço do Monte dei Paschi através da alienação de 28 mil milhões de euros em créditos considerados de má qualidade. A instituição financeira pondera pedir aos investidores no retalho para trocarem dois mil milhões de euros em obrigações subordinadas por acções, no caso de haver autorização do regulador para eliminar algumas cláusulas que desencorajaram os aforradores de participarem numa troca anterior, escreve ainda Bloomberg.

No domingo, o banco tinha apontado que ia manter o plano original para completar o processo de levantamento de capital até ao final do ano, ainda que, naquela altura não tivesse recebido oficialmente nenhuma resposta do BCE.

Na semana passada, o Monte dei Paschi pediu ao BCE o alargamento do prazo para a conclusão do processo de recapitalização até ao dia 20 de Janeiro de 2017, justificando a necessidade de mais tempo com a "alteração do contexto de referência". Na sexta-feira, 9 de Dezembro, a agência Reuters e a agência Bloomberg, apontava que o BCE tinha negado o pedido do Banca Monte dei Paschi di Siena.


A alteração pedida pelo banco - o terceiro maior do sistema italiano e o mais antigo do mundo em actividade – prendia-se com a crise política que eclodiu em Itália com a derrota do primeiro-ministro no referendo constitucional, o que levou Matteo Renzi a apresentar a sua demissão.

Com a extensão de cinco semanas pedida, a instituição financeira transalpina tentava ganhar tempo na expectativa de que até meados de Janeiro já pudesse haver fumo branco quanto ao próximo Governo de Itália.


Além de ser o terceiro maior banco italiano, o Monte dei Paschi tem no Estado transalpino o seu principal accionista, facto que leva o Financial Times a antecipava na última sexta-feira que a rejeição do BCE poderia tornar-se num novo impasse entre as autoridades italianas e a Zona Euro. Este jornal britânico retoma ainda a garantia que, a acontecer um falhanço na capitalização do Monte dei Paschi, a administração do banco atirará as responsabilidades para o BCE.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
António Ribeiro 14.12.2016

Como JCG sabe os reg. não fizeram nada. Em Portugal os bancos andaram a vender o prod abaixo do preço do custo, durante vários anos, com Marg Fin muito negativas. Se fosse um supermercado a ASAI não deixava. O BP assobiou para o lado e o res está à vista. O BCE agora vai atacar a Itália, com conseq.

JCG 14.12.2016

Questão: o que é que andaram a fazer na última dúzia de anos reguladores e supervisores (além de auditores) da actividade bancária (em Portugal, nos outros países e na União)?

Parece que a atual dureza é algo incoerente com a negligência e incompetências anteriores, não é?

António Ribeiro 14.12.2016

A forma como a Europa está a gerir o sistema bancário é altamente ruinosa. Não se compreende como continua a apostar na resolução de bancos. Basta haver a resolução de um grande banco em Itália, para isso contaminar os restantes bancos do país, como se verificou em Portugal. Espero que não aco .....

pub
pub
pub
pub