Banca & Finanças BCP abre porta a solução para o malparado

BCP abre porta a solução para o malparado

Nuno Amado só toma uma posição sobre uma solução nacional para o crédito malparado quando conhecer a proposta. Mas não diz que não.
BCP abre porta a solução para o malparado
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 08 de maio de 2017 às 17:57

O Banco Comercial Português abriu a porta a participar numa solução que venha a ser promovida para o excesso de crédito malparado nos balanços dos bancos portugueses.

 

"Nós não temos informação adicional. O que temos dito é que, quando tivermos informação adicional, analisaremos [o tema] de boa-fé. Veremos a possibilidade de aderir a um veículo – ou a uma solução que pode não ser um veículo – para esse fim".

 

A resposta foi dada por Nuno Amado esta segunda-feira, 8 de Maio, na conferência de imprensa de apresentação de resultados do primeiro trimestre, período em que apresentou lucros de 50,1 milhões de euros, quando questionado sobre o veículo para o malparado dos bancos, que o Governo quer implementar.

 

Nuno Amado defende que uma qualquer solução que venha a ser implementada tem de ser acompanhada por novas regras, por exemplo, no campo das recuperações e insolvências de empresas. Um apelo que o líder do banco privado já faz, pelo menos, há um ano.

 

Mesmo apesar das imparidades reconhecidas no ano passado, o BCP voltou a registar um agravamento nesta rubrica: foi mais negativa em 15% para 203,2 milhões de euros. Nas imparidades para crédito até houve uma descida mas, no campo das outras provisões e imparidades, nomeadamente fundos de reestruturação para construção, houve uma deterioração.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub