Empresas BCP, Caixa e Novo Banco vendem posições que detinham na Acuinova

BCP, Caixa e Novo Banco vendem posições que detinham na Acuinova

De acordo com o PER, publicado no portal Citius, numa lista de 124 credores, a dívida do Novo Banco, BPI, BCP e CGD ascendia aos 125 milhões de euros, de um total de dívidas reconhecidas de 167 milhões de euros.
BCP, Caixa e Novo Banco vendem posições que detinham na Acuinova
Correio da Manhã
Lusa 03 de julho de 2017 às 19:49

Três dos bancos portugueses credores da Acuinova-Mira (Millennium BCP, Caixa Geral de Depósitos e Novo Banco), venderam a totalidade das acções que detinham na empresa portuguesa à Ondas e Versos, foi hoje anunciado pelo grupo Nueva Pescanova.

 

Acuinova, até agora uma empresa do grupo Nueva Pescanova, cuja actividade é a gestão de uma unidade de aquicultura para a produção de pregado situada em Mira, tinha apresentado em Janeiro um pedido às autoridades portuguesas para um Processo Especial de Revitalização de Empresas (PER), que foi aprovado no início do ano passado.

 

"O objectivo do PER era chegar a um acordo de refinanciamento com os seus credores para reduzir a carga financeira e reconduzir o projecto", lê-se no comunicado divulgado hoje pelo grupo.

 

A Nueva Pescanova garante que, "desde o primeiro momento, realizou "todos os esforços para defender os interesses da empresa e dos seus 127 trabalhadores, tentando salvar Mira e manter a sua actividade".

 

O grupo assegura que "a cessão da Acuinova-Mira não tem um impacto relevante para o Grupo Nueva Pescanova, já que este era um activo disponível para a venda e não figurava nas contas consolidadas do grupo".

 

De acordo com o PER, publicado no portal Citius, numa lista de 124 credores, a dívida do Novo Banco, BPI, BCP e CGD ascendia aos 125 milhões de euros, de um total de dívidas reconhecidas de 167 milhões de euros.

 

O total do montante em dívida ao Novo Banco ascende aos 31,6 milhões de euros, que a instituição emprestou à Acuinova no âmbito do Projecto de Interesse Nacional (PIN) promovido durante o governo de José Sócrates.

 

Segue-se a Caixa Geral de Depósitos (CGD), com uma dívida de 27,9 milhões de euros, a que acresce uma outra de 3,5 milhões de euros referente à Caixa Banco de Investimento.

 

O BCP, por sua vez, surge no processo com uma dívida total reconhecida de 31,2 milhões de euros, e o BPI com um montante de 31,1 milhões de euros.

 

Actualmente, a Acuinova tem 127 trabalhadores e produz entre 1.900 e 2.300 toneladas de pregado por ano, representando 20% a 25% da produção aquícola nacional e continuando a ser um dos principais operadores do mercado, segundo dados da empresa.

 

Segundo informação disponível na internet, a Ondas e Versos Lda, com sede em Campo de Ourique, em Lisboa, foi criada em Fevereiro passado, com um capital social de 500 euros, e tem como actividade a prestação de serviços de consultoria, gestão, planeamento estratégico e investimentos em sociedades comerciais.

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
A notícia correta devia ser 17.07.2017

Vendida a uma empresa pertencente á OXI Capital - presidida por MIGUEL CALLE DA CUNHA LUCAS

Criada ontem por acaso com 500 E 17.07.2017

Se isto não é um cambalacho o que é ? vendem 125 milhões a uma empresa com 500 euros de capital social ? quem empresta á empresa ? com que garantias ? mais valia dizerem (como de costume) a um comprador não divulgado ! ! !

Juca 04.07.2017

Oh jecm foi para a garganta funda!

jecm 03.07.2017

Ora aqui está mais um bom processo para a PGR. Aliás, é uma vergonha se não averiguarem este negócio. Quem deu o credito e em que base e tudo o que se passou depois. Até a empresa diz que esta unidade não era importante. Porque meteram lá centenas de milhões?

pub
pub
pub
pub