Banca & Finanças BCP contribuiu para que Sabadell não cumprisse todo o plano estratégico

BCP contribuiu para que Sabadell não cumprisse todo o plano estratégico

A imparidade pela queda das acções do BCP foi um dos eventos extraordinários que impediram que o Banco Sabadell chegasse aos 1.000 milhões de euros em lucros, como esperado no plano estratégico de 2014.
BCP contribuiu para que Sabadell não cumprisse todo o plano estratégico
Bloomberg
Diogo Cavaleiro 07 de fevereiro de 2017 às 12:01

O Banco Comercial Português é apontado como uma das razões para que o Banco Sabadell não tenha cumprido um dos objectivos que tinha no plano estratégico 2014-2016: o dos lucros. Não tendo já uma participação no seu capital, o banco português abandona o plano estratégico para os próximos anos.


O Sabadell considera ter alcançado a maioria das metas financeiras do seu plano, como as comissões pagas (a intenção era alcançar mil milhões de euros, o que foi conseguido) e o rácio de capital (a previsão de 12% de Common Equity Tier 1 foi atingida).

 

Na margem financeira, a meta era alcançar os 3 mil milhões, o Sabadell chegou aos 3,8 mil milhões mas, excluindo a compra do britânico TSB, o valor só ficou em 2,8 mil milhões. Ficou por cumprir totalmente. 

 

No caso dos lucros, que chegaram aos 710,4 milhões em 2016, houve factores a impedir o objectivo proposto de mil milhões de euros. Efeitos extraordinários: o BCP aparece como um deles, ao lado de uma circular do Banco de Espanha relativa a provisões e também aos efeitos da decisão do Tribunal Europeu de Justiça que obrigam à devolução de juros cobrados em excesso em créditos à habitação. 
 

No documento divulgado esta terça-feira, não são dadas explicações sobre este evento. Nos resultados apresentados no final de Janeiro, o Banco Sabadell sublinhou que a alienação da posição de 4,08% no BCP não tinha um impacto "relevante". A venda de mais de 44 milhões de acções do banco liderado por Nuno Amado a 1,15 euros rendeu uma menos-valia de 8,3 milhões de euros brutos. O Sabadell não manteve a posição no aumento de capital que o BCP está a realizar nem aumentou a sua posição: a opção foi mesmo ficar com uma posição residual. 

O efeito extraordinário em causa foi a imparidade de 92,3 milhões de euros constituída este ano, antes da venda, para reflectir a deterioração da cotação das acções do BCP. 

 

Com a venda da posição, e ao contrário do que ocorria em 2014, o BCP já não aparece para provar a força internacional do Sabadell no plano estratégico para iniciar em 2017, "um ano de transição", de acordo com o documento.

 

A conclusão da integração do TSB, a protecção das margens e a contenção de custos em Espanha e Reino Unido são aspectos prioritários para o presente ano, a que se junta ainda a redução de activos não performantes, como crédito malparado e imobiliário.

 

Após a apresentação do plano, as acções do Sabadell estão a subir 1,34% para 1,441 euros. 

(Notícia corrigida às 21:40: por lapso, estava indicado Banco de Portugal no quarto parágrafo quando se referia ao Banco de Espanha)


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub