Banca & Finanças BCP fica hoje mais perto de se tornar chinês

BCP fica hoje mais perto de se tornar chinês

A assembleia-geral marcada com a bênção dos actuais principais accionistas vai permitir cumprir duas condições impostas para concretizar o investimento chinês. Conhecem-se também as contas dos nove meses.
BCP fica hoje mais perto de se tornar chinês
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 09 de Novembro de 2016 às 11:11

O Banco Comercial Português dá hoje um passo para se aproximar do comprador chinês. Na reunião que se realiza esta quarta-feira, 9 de Novembro, os accionistas votam duas condições que o grupo Fosun colocou para adquirir 16,7% do banco liderado por Nuno Amado (na foto). Também hoje, há contas do BCP até Setembro a serem reveladas depois de, no primeiro semestre, o banco ter surpreendido pela negativa.

 

A assembleia-geral de accionistas, agendada para as 14:30, tem em cima da mesa dois grandes objectivos: um deles é subir o limite de votos dos actuais 20% para 30%, como pede a Fosun; o outro é aumentar o número máximo de membros do conselho de administração de 20 para 25, como também é condição do grupo chinês.

 

Ambas as propostas são subscritas pela Sonangol (17,84%), Sabadell (5,07%), EDP (2,56%) e InterOceânico (2,05%), os principais accionistas do banco privado, e visam cumprir as exigências dos chineses. Havendo este apoio accionista, a aprovação das propostas parece mais provável.

 

Fica a faltar o aval do Banco Central Europeu para que a Fosun possa, efectivamente, entrar na estrutura accionista e possa expandir, depois, a posição para até 30%.

 

Começando a reunião às 14:30, há pelas 17:00 a divulgação das contas dos nove meses. Os resultados dos primeiros seis meses do ano foram negativos, tendo surpreendido pela negativa os analistas: a equipa de Nuno Amado pretendeu constituir imparidades para crédito e levou o banco a prejuízos de 197,3 milhões de euros no acumulado dos dois primeiros trimestres.

 

Um dia depois desta limpeza feita no balanço do BCP, foi revelado o interesse da Fosun. O dono da Fidelidade e da Luz Saúde quer comprar 16,7% do banco e admite até estender essa participação até 30%.

 

A Fosun entra, agora, numa instituição financeira que entregou, junto do Banco de Portugal, uma carta de intenção de aquisição do Novo Banco e que, neste momento, negoceia na casa dos euros e não dos cêntimos. Outro dos obstáculos que se teve de ultrapassar para que os chineses investissem no banco foi o reagrupamento de 75 acções do BCP numa só.

 

Desde que se concretizou a fusão de acções, o BCP tem tido um desempenho negativo. Esta quarta-feira, os títulos estão a ser penalizados, também, pela eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos da América, à semelhança do que acontece nas bolsas europeias.

 

O BCP vale 1,1217 euros por acção, recua 3,3% em relação a ontem mas já esteve a cair 7,75%, altura em que tocou nos 1,1406 euros. Negoceia 24% abaixo do preço máximo que a Fosun pretende pagar pelo BCP – 1,50 euros por acção.

 




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas

Cada vez está mais perto um bruto aumento de capital e lá vamos novamente, voltar a converter as acções de 75 para uma, para enganar mais meia dúzia de patinhos.

comentários mais recentes
Joao22 Há 4 semanas

E preciso calma, se fosse fácil não estaríamos aqui. os estatutos são pouco flexíveis e há interesses por tras. Nuno Amado não tem tido a tarefa fácil e ela vai continuar difícil enquanto os juros estiverem abaixo de zero e o governo socio-comunista não provar que é fiável. Crescimento acima de 2% é a chave para muito e BCP incluído.

Anónimo Há 4 semanas

Gostava de sabêr quando é que estes dirijentes do BCP; vão dar força e vontade aos investidores para acreditarém neste banco; porque jà cansa de vêr todos os dias a cotação a baixar;acordém pôrra jà chêga!

Anónimo Há 4 semanas

Pequenos acionistas: votar contra. Porque é que estes poucos acionistas, que não detem a maioria do capital, podem determinar estas decisões?

FERREIRA Há 4 semanas

O nuninho ficou tão apaixonado do faz tesão, que um dia destes até vai deixar o china lhe sangue no cus...inho

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub