Banca & Finanças BCP volta a destacar-se e já ganha 15% em três dias

BCP volta a destacar-se e já ganha 15% em três dias

A subida recente das acções do banco liderado por Nuno Amado não livra o BCP de perder mais de 60% desde o início do ano. A ajudar aos ganhos dos últimos dias está a banca italiana.
BCP volta a destacar-se e já ganha 15% em três dias
Bruno Simão/Negócios
Sara Antunes 08 de dezembro de 2016 às 09:56

O BCP está a subir 3,04% para 1,298 euros esta quinta-feira, 8 de Dezembro. Esta é a terceira sessão consecutiva de ganhos acentuados no banco liderado por Nuno Amado, elevando para 15,4% a subida nestes três dias.

 

Apesar da subida recente das acções, o banco continua a acumular uma queda superior a 60% desde o início do ano, depois de ter sido alvo de especulação sobre as suas necessidades de capital.

 

O anúncio da entrada dos chineses da Fosun aliviou a pressão, mas os resultados que têm sido reportados pela instituição financeira, não têm convencido. Os últimos números conhecidos reportam-se ao terceiro trimestre, tendo o BCP revelado prejuízos de 251,1 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, o que compara com o lucro de 264,5 milhões de euros registado no mesmo período do ano passado.

 

O anúncio do interesse da Fosun entrar no capital do BCP e elevar até 30% a sua posição, em conjunto com a demonstração de interesse da Sonangol em superar os 20% no capital do banco, ajudaram a estabilizar as acções da instituição.

 

Mais recentemente a situação da banca italiana acabou por penalizar o BCP. Nos testes de stress, cujos resultados foram conhecidos no Verão, ditaram o chumbo de um banco: o Monte dei Paschi, que terá de realizar uma recapitalização no valor global de cinco mil milhões de euros.

 

A situação do banco, e a situação política em Itália, que é incerta depois da demissão de Matteo Renzi – que oficializou a sua demissão na quarta-feira, em consequência da vitória do "não" no referendo que se realizou no domingo e que tinha como objectivo alterar a Constituição do país.

 

Monte dei Paschi aguarda resgate

O banco italiano Monte dei Paschi ficou numa situação ainda mais frágil, já que precisa realizar várias operações para conseguir recapitalizar-se em cinco mil milhões de euros até ao final deste ano.


Ainda na quarta-feira terá sido pedido ao BCE que dê mais tempo a esta instituição para conseguir preceder à recapitalização.

 

Na calha está um resgate público. Os pormenores estarão a ser fechados, com as notícias a apontarem para que seja anunciado durante o próximo fim-de-semana.

As acções do Monte dei Paschi esão a subir 3,68% para 21,71 euros, elevando para 16,22% a subida nos últimos três dias.

 

Já o Unicredit, que também está a trabalhar num plano de recapitalização, anunciou hoje a venda da posição no banco polaco Pekao por mais de dois mil milhões de euros. As acções do Unicredit contrariam a tendência e caem 0,64%.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 08.12.2016

È só fogo de vista porque sobe 5% e baixa 50%, com n.mamado o bcp está e estará entregue á bicharada e os accionistas fo««««didos. Este banco e outros não tem credibilidade.Que vão pró c@r@lho

Anónimo 08.12.2016

O BCP ganha ? O bcp, o bpi, edp, impresa, pharol,novabase,inapa,glint e outras tantas, estão doentes e sofrem de uma doença muito grave,Pulmoôes falta de ar, ou má gestão ou falta de cacau.Razão pela qual quem os segura de pé,são os investidores,SENÂO?

Sou teimoso como uma Mula 08.12.2016

Maravilha. Assim só fico a perder 182% do valor de compra(e não sou dos piores). Sou daqueles que Nunca vendo a perder. É por essas e por outras que na miserável bolsa nacional estou a arder com mais de metade do meu dinheirinho.

kim 08.12.2016

Fujam desta manipulação que tira só aos pequenos investidores

ver mais comentários
pub