Transportes BE leva hoje ao Parlamento debate de urgência sobre transportes públicos

BE leva hoje ao Parlamento debate de urgência sobre transportes públicos

O Bloco de Esquerda (BE) leva hoje ao parlamento um debate de urgência sobre transportes públicos para alertar para a degradação dos transportes e apresentar, ao mesmo tempo, iniciativas legislativas sobre o sector.
BE leva hoje ao Parlamento debate de urgência sobre transportes públicos
Miguel Baltazar
Lusa 18 de janeiro de 2017 às 07:46
A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, juntamente com outros deputados e dirigentes do Bloco de Esquerda, viajaram na manhã de segunda-feira no Metro de Lisboa, entre as estações de Cais do Sodré e Intendente, na linha Verde, acompanhados por membros da comissão de trabalhadores da empresa e, no final, anunciaram o agendamento do debate de urgência.

No final do percurso de dez minutos, Catarina Martins lembrou ainda o "compromisso" do actual Governo de, no primeiro semestre de 2016, fazer um investimento nos transportes públicos, mas frisou que, "de facto, esse investimento não está a ser feito".

A líder do BE frisou então que a proposta do partido é "simples e razoável" e passa pelo investimento "já", de modo a que seja reposto "o nível de oferta básico que existia há quatro anos".

"Não se repõe de um dia para o outro tudo o que foi destruído", assumiu, pedindo todavia respostas imediatas para este problema que leva, não raras vezes, a que as pessoas circulem no Metro como "sardinhas enlatadas".

Na reunião plenária de hoje debate-se ainda o projecto de lei nº322/XIII do CDS-PP sobre a criação da conta de gestão florestal e também o projecto de resolução nº609/XIII do Bloco de Esquerda, que recomenda ao Governo a atribuição de apoios financeiros aos produtores florestais.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub