Banca & Finanças BES: Ministério Público pede redução de coimas do BdP a Salgado e Morais Pires

BES: Ministério Público pede redução de coimas do BdP a Salgado e Morais Pires

O Ministério Público pediu hoje a redução das coimas aplicadas em 2016 pelo Banco de Portugal ao ex-presidente do BES, Ricardo Salgado, de 4 para 3,5 milhões de euros e ao ex-administrador Amílcar Pires de 600.000 para 300.000 euros.
BES: Ministério Público pede redução de coimas do BdP a Salgado e Morais Pires
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 20 de dezembro de 2017 às 18:49
Nas alegações finais do julgamento dos pedidos de impugnação das contra-ordenações aplicadas pelo BdP, em Agosto de 2016, nomeadamente por comercialização de títulos de dívida da Espírito Santo Internacional junto de clientes do BES, a procuradora do Ministério Público entendeu não ter ficado provado que Amílcar Pires actuou com dolo, mas sim de forma negligente, e considerou alguns atenuantes para uma redução da coima aplicada a Ricardo Salgado.

Para a procuradora Edite Palma, Amílcar Pires deve ser condenado ao pagamento de uma coima de 300.000 euros, suspensa em dois terços e deve ser revogada a sanção acessória de inibição do exercício de cargos dirigentes no sector financeiro e bancário durante três anos, mantendo a obrigação de publicitar a eventual condenação.

No caso de Ricardo Salgado, a redução de 4,0 para 3,5 milhões de euros é acompanhada do pedido de uma suspensão em um terço, mantendo-se a sanção acessória de inibição do exercício de cargos no setor durante 10 anos e de publicitação.

O mandatário do Banco de Portugal João Raposo não acompanhou o pedido de Edite Palma, reafirmando que a decisão sancionatória do supervisor "é justa".

João Raposo lamentou que a defesa no processo que corre desde Março no Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS), em Santarém, se tenha centrado na "diabolização do supervisor", na "mistificação da realidade", no "branqueamento de responsabilidades" e na "tentativa de desacreditação de vozes incómodas".

Também a procuradora se referiu à tentativa de "descredibilização" do ex-contabilista Francisco Machado da Cruz, cujo depoimento como testemunha no processo considerou credível e revelando uma "clara persistência" e uma "narrativa histórica convergente" com outros depoimentos e com a prova documental.

Numa apreciação à decisão administrativa, a procuradora propôs ao TCRS uma "reorganização dos factos provados", considerando, contudo, que daí não decorre qualquer alteração da qualificação jurídica.

As alegações dos mandatários de Ricardo Salgado e de Amílcar Morais Pires ficaram agendadas para quinta-feira, depois de a parte da manhã de hoje ter sido dedicada a analisar requerimentos apresentados por estes na segunda e na terça-feira.

Os representantes dos arguidos recorrentes pretendiam que fosse considerada a sentença do TCRS que, no início do mês, anulou a acusação do BdP no processo de contra-ordenação pela ausência de medidas de prevenção de branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo em unidades do BES no estrangeiro, dando razão aos recursos que invocavam preterição do direito de defesa na fase administrativa do processo.

Na parte da manhã, a juíza Anabela Campos quis ainda esclarecer a situação económica actual dos arguidos, com ambos a alegarem que perderam praticamente todo o património no processo de resolução do BES.

Ricardo Salgado afirmou que os rendimentos da família são assegurados por uma filha que vive na Suíça, pois mesmo as contas bancárias que possuía nesse país, onde viveu, foram arrestadas, além de ter perdido o milhão de euros que havia investido no aumento de capital do banco e as "duas ou três centenas de milhares de euros" que tinha depositados no BES e que passaram para o 'banco mau', lembrando ainda que tem parte significativa da sua pensão arrestada.

Por decisão do Tribunal Central de Instrução Criminal, no âmbito de um outro processo, Ricardo Salgado passou a auferir, desde Outubro, de uma pensão líquida de 1.627 euros, já que foram arrestados 23 mil dos cerca de 24.700 euros que recebia mensalmente.

Igualmente questionado sobre os seus rendimentos actuais, Amílcar Morais Pires lembrou que está impedido de exercer cargos e funções em instituições financeiras e de crédito, situação agravada pelos "danos reputacionais" trazidos pelo processo e que têm dificultado encontrar trabalho mesmo na área não financeira.

Afirmando ter perdido para o BES em liquidação, em Agosto de 2014, o valor da indemnização que recebeu (cerca de 500.000 euros depois de extraído o valor pago em impostos) e ainda poupanças da ordem dos 800.000 euros, Amílcar Pires afirmou estar a "delapidar" património, já que o rendimento que este gera não é suficiente para as despesas familiares.

(notícia actualizada às 19:47 com mais informação)



A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado joaoaviador Há 2 dias

Continuam a gozar com a malta. Lembro-me dos impostos que pago e do que pagaram os que tinham milhões lá fora e beneficiaram de um regime especial para o pôr cá dentro. Nessa altura o Ministério Público não pediu reduções para todos nós. Tenho explicação. Será que o Ministério Público começa a ter pena desta gente que acolitada pelo mais perigoso e tenebroso advogado do país, continuam a rir-se das gentes e das leis ou sou eu que sou burro de todo? Até quando vamos ver o rei vestido?

comentários mais recentes
AA Há 4 semanas

MAIS UM EXEMPLO DE COMO O MINISTÉRIO PÚBLICO PORTUGUÊS É UMA VERGONHA. PORTUGAL É UM PAÍS ONDE A CORRUPÇÃO É GENERALIZADA HÁ VÁRIAS DÉCADAS, DESDE O CHAMADO 25 DE ABRIL DA BANDALHEIRA, E A MAGISTRATURA É A MAIOR RESPONSÁVEL POR OMISSÃO. PROMOVAM AINDA ESTA SENHORA DO MP... JÁ AGORA.

Mr.Tuga Há 1 dia

Justiça tuga no seu melhor....

No final ainda os indemnizam e levam um louvor do "afectos"....

Pocilga de sitio atrasado! Vergonha!

JUSTIÇA CONIVENTE COM OS CRIMINOSOS Há 1 dia

Face a esta notícia, atendendo q se trata de um escroque criminoso do mais abjecto, que é possível imaginar, com os muitos milhares de famílias destruidas, q lhe tinham entregue as suas economias ( ao biltre Salgado ), face a esta notícia, só nos resta constatar Q A JUSTIÇA É CONIVENTE COM O CRIME

5640533 Há 1 dia

Se não fosse tão triste a "Justiça" portuguesa dava para partir o coco.

ver mais comentários