Empresas BES prevê subscrição da totalidade dos direitos de compra de acções

BES prevê subscrição da totalidade dos direitos de compra de acções

Os executivos do banco liderado por Ricardo Salgado estão convencidos de que os investidores vão subscrever as acções no valor de 1,01 mil milhões de euros.
Hugo Paula 26 de abril de 2012 às 19:23
O BES recebeu a indicação dos seus principais accionistas e investidores de que pretendem subscrever os direitos de compra das novas acções que o banco vai emitir no aumento de capital.

“Além dos accionistas dos bancos, temos indicação de que os investidores institucionais mais relevantes no estrangeiro” planeiam comprar as acções, disse o responsável financeiro (CFO, na sigla inglesa) do BES, Amílcar Morais Pires, à Bloomberg. “Estamos convencidos de que os direitos vão ser subscritos na totalidade”, acrescentou.

O Banco Espírito Santos tem uma capitalização bolsista de 2,4 mil milhões de euros e está a oferecer 2,56 milhões de novas acções ao preço de 0,395 euros. Um preço que representa um desconto de 30% face ao valor dos títulos no encerramento da sessão anterior ao anúncio do aumento de capital.

O CFO do banco disse ainda que muitos dos accionistas que vão participar no aumento de capital são novos, tendo entrado no seu capital já depois do final do ano e incluindo alguns originários do Reino Unido e Estados Unidos da América, refere a Bloomberg.

A operação de aumento de capital do BES permite-lhe reforçar o rácio “core Tier one” para 10,75%. No entanto, a venda de novas acções vai ser acompanhada da compra de 50% da unidade de seguros BES Vida ao Crédit Agricole, o que vai ter um impacto negativo de 22 pontos no rácio de capital, levando-o para o nível de 10,53%, depois de estarem concluídas as duas operações.

Um nível do rácio de solvabilidade que permite ao banco satisfazer as exigências dos reguladores. A troika e o Banco de Portugal exigem um rácio “cote Tier one” de 10% até ao final de 2012 e a Autoridade Bancária Europeia tem uma exigência de 9%, a ser cumprida até ao final de Junho deste ano. Neste caso, a exposição à divida pública tem de estar avaliada a valores de mercado.

Carteira de crédito deverá diminuir entre 2% e 3% ao ano

Também para responder às exigências da troika, o BES está a trabalhar para reduzir o rácio de empréstimos face a depósitos para 120% até ao final de 2014. No final deste ano, os empréstimos deverão corresponder a 130% dos depósitos, disse Amílcar Morais Pires.

Para cumprir estas metas, o banco já não está a considerar a venda da sua carteira de créditos internacionais, revelou o CFO à Bloomberg. Nos últimos 18 meses, o banco vendeu créditos no valor de dois mil milhões de euros.

O BES antecipa que a sua carteira de crédito diminua 2% a 3% ao ano e prevê que os depósitos continuem a crescer, permitindo ao banco atingir a sua meta de 120% até à data prevista, disse.

O banco com sede na Avenida da Liberdade acredita que a dívida portuguesa não virá a ser reestruturada, motivo pelo qual está a comprar obrigações com maturidades de prazo mais longo, disse Morais Leitão à agência noticiosa.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Andre 28.04.2012

Eduardo...tenho 2915 direitos de subscrição para vender. 0,30€ cada.

Eduardo 27.04.2012

O ultimo dia para vender foi no dia 25, neste momento so é possivel vender as acções, se fizer um bom preço eu compro.

Cesar Silva 26.04.2012

Vender, já não pode.
A única opção que tem sem perder valor, é exercer os direitos, ou seja subscrever a acções a que tem direito, caso não tenha disponibilidade financeira o conselho é vender as actuais acções, mas tem que o fazer até 27-04.

miguel 26.04.2012

Não me foi possível mexer nos direitos que caducam a 02 maio. O que é que ainda posso fazer com eles? posso vender?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub