Empresas BES regista quebra de 13,4% dos lucros em 2001; propõe dividendo 0,376 euros

BES regista quebra de 13,4% dos lucros em 2001; propõe dividendo 0,376 euros

Os resultados líquidos do BES caíram 13,4% em 2001 para os 197,4 milhões de euros, em linha com as estimativas dos analistas, anunciou hoje a instituição financeira liderada por Ricardo Salgado, que propõe o pagamento de um dividendo de 0,376 euros.
Negócios 06 de fevereiro de 2002 às 07:46
Os resultados líquidos do Banco Espírito Santo (BES) caíram 13,4% em 2001 para os 197,4 milhões de euros, em linha com as estimativas dos analistas, anunciou hoje a instituição financeira liderada por Ricardo Salgado, que propõe o pagamento de um dividendo de 0,376 euros.

Os dividendos serão apenas atribuíveis às acções do BES existentes no final de 2001, pelo que as novas acções resultantes do aumento de capital não serão contempladas com a distribuição dos mesmos.

Os lucros do ano passado comparam com os resultados líquidos de 228 milhões de euros registados em 2000. O lucro por acção em 2001 atingiu os 0,99 euros, contra os 1,14 euros registados no ano anterior.

Os analistas contactados pelo Negocios.pt estimavam que os resultados líquidos do BES [BESNN] descessem 14% para os 195,7 milhões de euros, com as previsões dos oito analistas a variarem entre os 187,2 e os 216 milhões de euros.

O resultado financeiro cresceu 12,2% para os 718,6 milhões de euros, enquanto o crédito concedido, apesar de aumentar em 12,8% para os 21,79 mil milhões de euros, não cresceu tanto como os 28,4% registados em 2000.

Em 2001, a queda dos mercados accionistas, traduzida numa desvalorização de 25% do PSI20, afectou as comissões de corretagem geradas pelo BES, juntamente com «a incerteza criada pela reforma fiscal», afirma o banco.

«O exercício foi afectado negativamente pela performance dos mercados de capitais, o que limitou a capacidade de geração de resultados da banca de investimentos, de corretagem e de trading», explica o banco em comunicado.

A rendibilidade dos capitais próprios, ou «return-on-equity» (ROE) caiu 6,4 pontos percentuais para os 15,5%, enquanto a rendibilidade dos activos, ou «return-on-assets» (ROA) caiu de 0,76% em 2000 para 0,55% em 2001.

Para manter o ROE do banco acima dos 15%, o BES aprovou um aumento de capital de 500 milhões de euros por incorporação de reservas e entradas em dinheiro, no último dia de 2001.

O BES fechou ontem a cair 0,21% para os 14,35 euros. No entanto, o preço de fecho indicativo foi ajustado para os 11,40 euros para reflectir as novas acções resultantes do aumento de capital.

Junto segue tabela com os principais indicadores dos resultados de 2001

1
  2001 Variação face a 2000
Lucros 197,4 -13,4%
Produto Bancário 1.227 -0,2%
Custos de Funcionamento 714,1 13,9%
Crédito Concedido 24.572 12,8%
Depósitos de clientes e dívida titulada 25.974 21,7%
Activo líquido 38.573 13,7%
ROE* 15,5% -6,4 p.p.
ROA** 0,55% -0,21 p.p.
Rácio de tranformação*** 113,6% -2,6 p.p.

Valores em milhões de euros

*Rendibilidade dos capitais próprios

**Rendibilidade dos activos

***Crédito clientes/recurso de clientes de balanço

 

Por Ricardo Domingos