Investidor Privado Bezos: Queria ir para o espaço mas fez fortuna a vender livros

Bezos: Queria ir para o espaço mas fez fortuna a vender livros

Acreditava, já em miúdo, que a terra tinha de ser preservada. O espaço tinha de ser habitado. Ainda não conseguiu. Mas anda à procura. Porque pode. A sua fortuna está avaliada em mais de 60 mil milhões de dólares e fê-la com a Amazon.
Bezos: Queria ir para o espaço mas fez fortuna a vender livros
Alexandra Machado 01 de Novembro de 2016 às 11:00
Bilhete de identidade

Nome Jeff Bezos
Profissão Dono da Amazon
Idade 52
Como fez fortuna Não se contentou com o mundo de Wall Street e quis aproveitar a onda da internet. Criou a Amazon.com para vender livros online. Em 1997 cotou a empresa em bolsa, que hoje tem uma capitalização de 370 mil milhões. De empreendedor passou a investidor. Criou a empresa Blue origin, para o negócio espacial.

Valor da fortuna

67 mil milhões de dólares


Esta história também tem uma garagem. Ou melhor, duas. O pequeno Jeff, de apelido Bezos pelo padrasto cubano, em cri­ança ia para a garagem "bisbilhotar" as entranhas dos equipamentos, para ver como funcionavam, segundo relata a Bio­gra­phy. Cedo percebeu a sua vocação. Licenciou-se em ciências da computação e engenharia eléctrica em Princeton, em 1986, com distinção.

Aplicar os conhecimentos nu­ma actividade própria ainda demoraria, apesar de no liceu, e depois do que considerou ser um Verão miserável a trabalhar no McDonald’s, ter criado o primeiro negócio: o Dream Institute era um campo de Verão para adolescentes. Cobrava, por cada, 150 dólares. Conseguiu seis. Uma das tarefas era lerem As Viagens de Gulliver, de Jonathan Swift, mas também tinham de fazer pequenos programas num Apple ou estudar buracos negros.

Apesar da iniciativa, em miúdo sonhava ser, segundo o Business Insider, um empreendedor ligado ao aeroespacial. Hoje em dia tem a Blue Origin, que está a desenvolver um conjunto de tecnologias, com destaque para o veículo de descolagem e aterragem na vertical, que permita entrar no espaço. A ideia é avançar com o serviço comercial em 2018. O que para Bezos também será um sonho concretizado. Aquele a quem é atribuído a frase: "o futuro da humanidade não é neste planeta", terá dito ainda na escola, acrescentando que queria construir hotéis, parques temáticos e colónias para os dois ou três milhões de pessoas em órbita. Em 1982, segundo acrescenta uma biografia sua o Washington Post (um jornal que acabaria por ser adquirido por Bezos), dizia que a ideia era "preservar a terra".

Em 2000 nasceu a Blue Origin. Blue pelo planeta azul, que é a terra, e Origin pela origem. Um grande passo para a humanidade? Bezos não tem dúvida de que pelo menos a si a Blue Origin tem potencial para o interessar mais do que aquele pelo qual é conhecido, vender coisas.

Um passo em Wall Street

O espaço era o sonho. As finanças foram o começo. Depois de licenciado, Jeff terá recusado ofertas de trabalho na Intel ou na Bell Labs. Preferiu juntar-se à start-up Fitel, que queria construir uma ambiciosa operadora de telecomunicações para corretoras. A empresa não cresceu. Bezos mudou. Passou pela Bankers Trust até ser contratado para o "hedge fund" D. E. Shaw. Em quatro anos chegou a vice-presidente. Esta passagem mudou a sua vida. Pediram-lhe para estudar novos negócios na internet. E conheceu a mulher com quem viria a casar.

Mas decidiu sair. "Quando tiver 80 anos vou arrepender-me de ter saído de Wall Street? Não. Arrepender-me-ei de não estar lá no arranque da internet? Sim". E foi. Afinal, tinha lido que a internet tinha crescido 2.300%. Não podia perder. Fez uma lista de 20 produtos que podia vender online. Os livros eram a sua melhor hipótese. Seattle era o seu destino. E chega o momento da segunda garagem. Foi o início da Amazom.com. Cada vez que alguém fazia uma compra tocava uma campainha, que teve de ser desligada passado poucas semanas. No primeiro mês, vendeu livros em todos os Estados Unidos e em 45 países. Teve de sair da garagem. E em 1997 fez a sua entrada em bolsa. Não foi apagada pela bolha das "dotcom" e foi crescendo. Hoje, com 52 anos, a sua fortuna está avaliada em mais de 67 mil milhões de dólares. Num só ano acrescentou, segundo a Forbes, 20 mil milhões de dólares. A Amazon tem uma capitalização superior a 370 mil milhões de dólares e há já quem preveja que cada acção possa, dentro de algum tempo, cotar a mil dólares cada.

Só contribuirá para que Bezos aumente a sua fortuna. Aquele que garante que o seu perfil de investimento é de longo prazo. Isso mesmo salientou quando em 2013 optou por um negócio centenário. Comprou, a título pessoal, o Washington Post por 250 milhões de euros. "Eu não sabia nada sobre o negócio de jornais, mas sabia alguma coisa sobre internet". 



cotacao Se quer ser inventivo, tem de estar disponível para falhar. Jeff Bezos Fundador da Amazon




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub