Indústria Bicicletas partilhadas fazem primeira entrada em bolsa na China

Bicicletas partilhadas fazem primeira entrada em bolsa na China

A Youon, com 50.000 veículos de duas rodas para uso partilhado, começa esta segunda-feira a sua oferta pública inicial para admissão à bolsa chinesa. Vai colocar no mercado 25% do seu capital.
Bicicletas partilhadas fazem primeira entrada em bolsa na China
Negócios 07 de agosto de 2017 às 07:26
A empresa de partilha de bicicletas para transporte Changzhou Youon Public Bicycle System deverá ser a primeira do género a entrar em bolsa na China.

A oferta pública inicial arranca esta segunda-feira, 7 de Agosto, e pretende levantar junto dos investidores um total de 644,4 milhões de yuan (ou 81,31 milhões de euros) por 25% da companhia, o que avalia a empresa em 325,8 milhões de euros. 

O financiamento obtido permitirá à Youon construir um novo centro de investigação e desenvolvimento, além de sustentar a operação quotidiana e abater dívida.

A companhia afirmava ter 7,5 milhões de utilizadores em 210 cidades e províncias no final de  2016. Até ao final de Março deste ano o parque de bicicletas ascendia a 50.000 veículos.

De acordo com o Financial Times, o negócio de partilha de bicicletas tem crescido exponencialmente na segunda maior economia do mundo.

A Mobike e a ofo destacam-se entre uma dezena de startups que oferecem a possibilidade de desbloquear o acesso às bicicletas através de smartphones, reunindo uma oferta conjunta de 11 milhões de bicicletas. Mas também há casos de insucesso, como o de uma empresa que encerrou depois de 90% das suas bicicletas terem sido roubadas.

A Youon facturou 24,35 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano (mais 20,5% que em igual período do ano passado), com os lucros a crescerem 7% para 3,4 milhões de euros.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub