Banca & Finanças Blackrock contrata antigo ministro das Finanças britânico

Blackrock contrata antigo ministro das Finanças britânico

George Osborne entra ao serviço em Fevereiro e quer ajudar a melhorar a rentabilidade dos investimentos dos clientes da maior gestora mundial de activos. Não estará envolvido em acções de lobby junto do Governo de Londres.
Blackrock contrata antigo ministro das Finanças britânico
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 20 de janeiro de 2017 às 17:06
A Blackrock, maior gestora de activos do mundo, anunciou a contratação de George Osborne, antigo ministro das Finanças do Reino Unido, como senior advisor da empresa.

O anúncio foi feito esta sexta-feira, 20 de Janeiro, pelo CEO da empresa Larry Flink, que em comunicado justificou a escolha pelo contributo que Osborne teve na recuperação do Reino Unido e do G20 face à crise económica e financeira de 2008. 

"Os conhecimentos do George vão ajudar os nossos clientes a atingir os seus objectivos," afirmou o responsável da Blackrock, de acordo com o Financial Times.

O ex-governante assumirá funções a partir de Fevereiro como conselheiro sénior do BlackRock Investment Institute. Osborne ficará, no entanto, afastado de quaisquer funções que envolvam lobby com as autoridades governamentais britânicas. 

"A BlackRock quer melhores resultados para os pensionistas e aforradores e eu vou ajudá-los nisso. (...) O meu objectivo é continuar a aprender, a ganhar mais experiência e a ter um ainda melhor conhecimento do mundo," afirmou George Osborne.

O antigo ministro deixou o Governo britânico em Julho do ano passado, na sequência da demissão do governo de David Cameron, posteriormente ao resultado do referendo que decidiu a saída do Reino Unido na União Europeia (Brexit). Desde então uma das suas fontes de receitas tem sido a presença em conferências, tal como tem acontecido com Cameron.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub