Transportes Bloco baralha contas do Governo na lei da Uber

Bloco baralha contas do Governo na lei da Uber

O Bloco de Esquerda avançou com uma iniciativa própria para regulamentar a actividade de transporte em veículos descaracterizados, onde alerta para "graves consequências" da proposta do Governo, da qual também o PCP discorda. O PSD decide sentido de voto quarta-feira.
Bloco baralha contas do Governo na lei da Uber
Kai Pfaffenbach/Reuters
Maria João Babo 13 de março de 2017 às 22:00

A dias de ser votada no Parlamento a proposta de lei do Governo que cria regulamentação para a actividade de empresas como a Uber e a Cabify, o Bloco de Esquerda (BE) veio baralhar as contas do Executivo com a apresentação de um projecto de lei que estabelece um diferente regime jurídico para a actividade de transporte em veículos descaracterizados.

Na sua proposta, os bloquistas determinam a fixação de contigentes para estes veículos por parte das câmaras municipais, como reclamam as associações de táxis, o que o Governo já deixou claro estar fora de questão.

O BE considera que "são bastante graves as consequências de uma eventual aprovação da proposta de lei" do Governo.
Em seu entender, refere no texto, ela "legaliza uma actividade semelhante à do táxi mas com uma regulação muito menos apertada, com consequências políticas e sociais indiscutíveis, acolhendo a prática de preços de ‘dumping’ nesta actividade económica e legitimando um regime jurídico de favor para um grupo específico de operadores". Isto, acrescenta, porque "aceita a introdução na lei de diversas cláusulas discriminatórias face ao serviço do táxi, mais regulamentado".

Os bloquistas deixam claro que estão contra a proposta do Governo que será votada na sexta-feira, relativamente à qual também o PCP se assumiu sempre contrário. Sem o apoio dos dois partidos, a aprovação de regulamentação para a actividade de empresas como a Uber e a Cabify fica dependente da posição que PSD e CDS-PP vierem a tomar.

Ao Negócios, o deputado social-democrata Luís Leite Ramos adiantou que o partido não decidiu ainda o sentido de voto à proposta do Governo. O responsável considera que "há questões que merecem melhor reflexão", como é o caso da contingentação e "aspectos que devem ser melhor regulamentados". É o caso, explica, das exigências que o regime jurídico proposto cria para os condutores e para as empresas que exercem esta actividade.

De acordo com Luís Leite Ramos, "o PSD está a avaliar estas várias dimensões", de forma a "quarta ou quinta-feira poder tomar internamente uma decisão" sobre o sentido de voto e iniciativas futuras nesta matéria.

O Negócios sabe que o Governo não equaciona, contudo, o cenário de não aprovação esta sexta-feira da regulamentação do transporte em veículo descaracterizado a partir de plataforma electrónica (TVDE). Até porque os próprios partidos da oposição defendem a existência de legislação que enquadre a actividade de empresas como a Uber.

Contigentes fora de causa

A grande diferença da proposta do BE para a do Governo é a fixação de contingentes. Na sua iniciativa, os bloquistas estipulam que "o número de veículos descaracterizados em cada concelho constará de contingentes fixados com uma periodicidade não inferior a cinco anos, pela câmara municipal". E que estes contigentes "não podem ultrapassar uma determinada proporção face ao número de táxi licenciados em cada concelho". A sua proposta é ainda no sentido de que "as câmara municipais atribuem as licenças, dentro do contigente fixado, por meio de concurso público limitado aos operadores de TVDE habilitados".

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, já disse que "não estão previstos contingentes", porque "a iniciativa económica em Portugal é livre" e "esta é uma actividade privada, o que inibe qualquer possibilidade de contingentação".

Ainda não tomámos posição. Há questões que não parecem bem resolvidas
e que merecem melhor reflexão.
luís leite ramos
Deputado do PSD



A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pedro Gonçalves Há 2 semanas

Literalmente falando, bons e maus profissionais existe em todo lado .....Bem vindos a Portubergal a nação corrupta ,políticos incompetentes e corruptos. ..Se cada taxi desse ao PS 500.000 euros ficava tudo resolvido

Anónimo Há 2 semanas

Como é possível,haver indivíduos a trabalharem na Uber e cabify sem saberem onde fica Alfama por exemplo e ainda terem a lata de pararem os seus carros topo de gama como Porches,volvos etc...... ao pé das praças de táxis e perguntarem ao motoristas onde fica determinado local! Vergonhoso.....!

Urubu style Há 2 semanas

Vejam lá se decidem alguma coisa pois eu tenho 6 carros em stand a a apanhar chuva e nada render,quero ver se arranjo 12 escravos pra começar a mamar deste belo paraiso q os americanos nos trouxeram.
Os empresarios do taxi brevemente vão ser donos do sistema todo...eu nao largo o meu taxi!

Anónimo Há 2 semanas

Legal, é trabalhar e pagar imposto.
Legal, é querer ir para um destino e não ter que dar a volta a Lisboa.
Legal, é não haver lobbys, e um sector sem concorrência.
Legal, é possuir um alvará cedido pela autarquia e quando já não o quiser devolver, e não vender por dezenas de milhar de euros.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub