Energia Bloco de Esquerda diz que energias renováveis vão pesar 800 milhões entre 2020 e 2027

Bloco de Esquerda diz que energias renováveis vão pesar 800 milhões entre 2020 e 2027

Os bloquistas apontam que o Governo de Passos Coelho concedeu uma extensão de 5 a 7 anos de "preços garantidos" aos produtores eólicos até 2027 e questionaram o ministro da Economia sobre o impacto deste regime.
Bloco de Esquerda diz que energias renováveis vão pesar 800 milhões entre 2020 e 2027
Bruno Simão
André Cabrita-Mendes 26 de outubro de 2017 às 20:35
O Bloco de Esquerda fez as contas e estima que as energias renováveis vão pesar 800 milhões de euros nas tarifas de electricidade entre 2020 e 2027. Os bloquistas colocaram agora uma série de perguntas ao Governo sobre este sobrecusto do sector das renováveis.

A partir de 2020, a maioria das centrais eólicas em Portugal deixam de ter a tarifa "feed-in", que garante uma remuneração de 94 euros por megawatt hora (MWh) para passarem a ter uma tarifa sujeita aos preços de mercado, mas dentro de um intervalo, em que o valor minímo é 74 euros/MWh.

Em 2012, a maioria dos produtores eólicos em Portugal chegou a acordo com o Governo de Passos Coelho, para estas centrais pagarem quase 150 milhões de euros entre 2013 e 2020, cerca de 20 milhões por ano, de forma a diminuir tarifas para os consumidores e a abater o défice tarifário. 

Mas como contrapartida, o Governo PSD/CDS concedeu a estes produtores mais 5 a 7 anos de uma remuneração garantida, correspondente ao preço médio de mercado dos doze meses anteriores, mas sujeita a um limite de preço máximo (98 euros/MWh) e um preço mínimo (74 euros/MWh).

O Bloco de Esquerda considera que esta "compensação seria na verdade uma contrapartida pela extensão até 2027 de regimes remuneratórios subsidiados", por garantir sempre às centrais o preço mínimo de 74 euros/MWh.

"Segundo cálculos realizados pelo Bloco de Esquerda, a diferença entre a receita desta compensação [cerca de 150 milhões] e o sobrecusto adicional que gerará no período 2020-2027 representa uma carga adicional sobre a tarifa que pode ultrapassar os 800 milhões de euros ao longo de sete anos, 115 milhões de euros por ano", pode-se ler no documento assinado pelo deputado Jorge Costa.

As perguntas são endereçadas ao ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, com o Bloco de Esquerda a querer saber quantos produtores, e respectiva potência, aderiram a este regime, e quais as estimativas do Governo sobre o sobrecusto adicional gerado para o sistema eléctrico nacional entre 2020 e 2027 deste regime de "preços garantidos".



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub