Banca & Finanças Bloco e PCP querem novo líder da Caixa com salário mais baixo

Bloco e PCP querem novo líder da Caixa com salário mais baixo

Demissões podem não pôr fim às polémicas da Caixa. Parceiros no Parlamento pressionam Costa a aproveitar contratação de novo presidente para a CGD para negociar salário mais baixo do que aquele que é pago a António Domingues.
Marta Moitinho Oliveira 29 de Novembro de 2016 às 12:28
O Bloco de Esquerda e o PCP defendem que o Governo deve aproveitar o facto de estar a contratar um novo presidente para a Caixa Geral de Depósitos (CGD) para pagar um salário mais baixo do que aquele que ainda é pago a António Domingues. A ideia foi transmitida pelos dois partidos ao Negócios e mostra que as polémicas em torno da Caixa podem não acabar com a saída de Domingues.

"O Bloco sempre considerou o salário excessivo, é importante corrigir isso mesmo", disse fonte oficial do partido liderado por Catarina Martins. Também do PCP chega o mesmo repto." O Governo devia alterar as regras de remunerações dos gestores públicos nos termos em que o PCP tem proposto!", afirma o líder parlamentar comunista, João Oliveira. 

O Governo paga a António Domingues um salário anual de 423 mil euros (30 mil euros/mês), ao qual acresce uma remuneração variável dependente do desempenho do futuro presidente e que pode ir até 50% da remuneração base.

Os dois partidos, que suportam o Governo no Parlamento, defendem que o presidente da Caixa não pode ganhar mais que o primeiro-ministro (cerca de 6.500 euros/mês), e já apresentaram propostas neste sentido. No entanto, estes tectos não têm contado com o apoio do PSD e do PS, o que impede a sua aprovação. Ainda assim, se o Governo convidar o próximo presidente da Caixa com o mesmo pressuposto usado com Domingues - o Negócios sabe que este tema não é consensual dentro do Governo -, esta decisão pode abrir brechas entre os parceiros que suportam o Executivo.

O PSD quer voltar a um regime muito próximo do que existe no Estatuto do Gestor Público, mas que não se aplica à Caixa. Ou seja, a regra é o salário do primeiro-ministro, mas os sociais-democratas admitem que possa ir até um valor que corresponda à média dos últimos três anos do cargo de origem do presidente. Este tecto não era automático e estava dependente de autorização do ministro das Finanças.

Já o PS defendeu que no caso da Caixa o salário a pagar fosse definido pela comissão de remunerações do banco, por proposta do accionista. No caso de Domingues, o salário foi calculado tendo por base a mediana dos salários praticados no sector bancário.

A 20 de Outubro, António Costa defendeu esta prática dizendo que tem consciência que os salários "são impopulares", mas avisando que não quer "arriscar uma má gestão".

Quando aprovou a alteração ao Estatuto do Gestor Público - antes da fixação do salário de Domingues - Marcelo Rebelo de Sousa avisou o Governo para ter cautela na definição do salário. 




A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 dias


PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

comentários mais recentes
PARA O PSD 1º. ESTÁ O PARTIDO, DEPOIS PORTUGAL Há 2 dias

Diz uma notícia: DBRS AMEAÇA COLOCAR RATING DA CAIXA EM 'LIXO'
Ai está, em todo o seu esplendor , o fruto que o PSD pretendia colher com a sua sórdida guerrilha contra a CGD
Porquê ?
Simples: INVIABILIZAR A RECAPITALIZAÇÃO COM FUNDOS PÚBLICOS PARA OBRIGAR A CGD A ABRIR-SE A CAPITAIS PRIVADOS

Anónimo Há 2 dias

Estarao a testar O BCE, porque n propor a distinta ,competentíssima ,diferenciadíssima,com enormíssimo back ground Mariana e outros impostadores que resolveriam facilmente o problema confiscando 100% dos depósitos dos portugueses ,e apropriação dos bens mobiliários e imobiliários+ prec menos prec

pertinaz Há 2 dias

DE PREFERÊNCIA O SALÁRIO MÍNIMO

n Há 2 dias

E por entre os pingos de chuva, lá vai o Costa tentando não se molhar. Culpam este, aquele. A culpa é sempre dos outros, naquilo que corre mal.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub